Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead [2x13] - Beside the dying fire

Uma das coisas mais interessantes nos quadrinhos Os mortos-vivos (The Walking Dead) é a forma como as pessoas vão perdendo a sensibilidade e tornando-se frios, calculistas, apáticos aos eventos. Quem leu a série que tem oito graphic novels publicadas no Brasil pela HqManiacs, correspondendo aos números #1-48 da série original, vai encontrar esta transformação em muitos personagens mas o trio formado pela família Grimmes é o mais afetado (ou talvez o mais visível).

O público também sofre um pouco disso. A temporada teve muito diálogo e quando morrem alguns personagens que gostamos ficamos indiferentes para quem morre em seguida.

Então chega um conjunto de episódios (#11, 12 e 13 em especial) onde a merda é jogada no ventilador e tudo explode, ou, se preferir, esparrama.

Em síntese: o som das balas ao final do episódio anterior atraem uma horda de zumbis que invadem a Fazenda de Hershell. Segundo o próprio episódio os zumbis não ficaram confinados nas cidades e passaram para o interior do estado.

O grupo de sobreviventes liderado por Rick Grimmes tenta utilizar-se de técnicas de guerrilha para eliminar zumbis, mas gastam balas antes de conseguir qualquer resultado prático. São muitos, é noite, há desespero!

Rick e Carl, separados do grupo, põem fogo no celeiro eliminando grande parte dos zumbis, mas vem em seu resgate um dos filhos de Hershell, que sucumbe rapidamente no velho trailer de Dale.

O ataque ao grupo faz Patricia de vítima e há uma tensão legítima no expectador, afinal se Dale morreu qualquer um pode morrer, especialmente Andrea que, nos quadrinhos, fez par romântico com o personagem durante meses. Pela lógica parte da utilidade de Andrea – que nos quadrinhos torna-se excelente atiradora – estaria eliminada, e fica-se apenas aguardando o momento!

A tensão cresce quando ela se separa do grupo que vai se reunindo em veículos para uma fuga desordenada, cada veículo indo para um destino. Fica-se com a impressão que a advogada não conseguirá resistir, especialmente quando fica sem balas e passa a manter os zumbis de coronhadas. Mas, numa boa surpresa Andrea, afastada totalmente do grupo de Rick, é resgatada por uma mulher com espada e dois zumbis amarrados: Michonne, saberemos em breve.

Já os outros sobreviventes são: Rick, Carl, Hershell, Lori, Beth (filha suicida de Hershell), T-Dog, Daryl, Carol, Glenn e Maggie.

Eles conseguem encontrar-se no ponto que usavam como referência para Sophia episódios atrás, apesar da resistência de T-Dog em levar Lori e Beth para lá.

Ao dar explicações sobre como Shane retornou tão rápido e sem mordidas, Rick revela que todos estão infectados e que sabia disso desde o CDC no final da temporada anterior. Em termos práticos significa que quem morrer irá transformar-se em zumbi independente de mordidas ou arranhões, ou seja, independente de uma contaminação mais visual.

Isso cria uma divisão no grupo, com pessoas criticando a posição de Rick, especialmente Carol, que não consegue cooptar Daryl. Ainda.

Lori inicialmente apoia Rick, mas quando ele revela que matou Shane em um duelo por ela, Carl e o bebê, a senhora Grimmes o repele, dando o tom de um sentimento maior em relação à Shane.

Pressionado e falando em tom de desabafo, Rick tenta manter o grupo coeso e deixa claro que a partir daí não será mais uma democracia e que quem não quiser permanecer pode seguir.

Perdidos, sem combustível e sem alimentos, eles não percebem um pouco além da mata, a alguns quilômetros uma prisão federal.
































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…