Pular para o conteúdo principal

Fábulas, vol 9: Filhos do império

Não posso dizer que os três volumes iniciais de Fábulas, publicados pela Devir e ainda não republicados pela Panini, me impressionaram. São engraçados, divertidos e tinham um quê de novidade. Mas não iam além disso. Típica história que, caso não houvesse continuação não iria me incomodar.

Mas a partir do quarto volume (A marcha dos soldados de madeira, inicialmente publicado pela Pixel, mas concluso em um encadernado pela Panini) com a intensificação da trama sobre quem é o Adversário, a série ganhou uma qualidade superior e os volumes seguintes mostram uma maturidade de roteiro e planejamento inquietante.

Neste volume que cobre as edições #52-59 e mostra um arco longo (Os filhos do império) e um curto (Pai e filho), além de duas histórias fechadas.

Os filhos do império de Bill Willingham, Mark Buckingham e Steve Leialoha/Andrew Pepoy trata do planejamento da resposta do império à ações da Cidade das Fábulas no encadernado anterior, especialmente na edição dupla #50 e do envio de João como embaixador do Império. Este João é o personagem da fábula “João & Maria” (Hansel & Gretel, no original), e com o desenrolar da história e o assassínio da velha da casinha de doces (o Frau Totenkinder) tornou-se um puritano assassino de bruxas quando finalmente chegou ao mundo mundano, responsável pela perseguição em Salém.

Pai & Filho de Bill Willingham e Mike Allred, trata da visita da família de Bigby Lobo e Branca de Neve ao castelo do pai de Bigby, Sr. Norte, com quem o lobo tem um relacionamento tempestuoso, para dizer o mínimo. Descobrimos os irmãos de Bigby (semelhantes em muito ao design da fábula moderna “Onde vivem os monstros?” - ou será que estou errando a fábula?) e o posicionamento do sr. Norte em relação à guerra que virá.

As duas histórias curtas são uma aventura de Natal com um prelúdio das mudanças para o Papa-Moscas, produzido pela equipe padrão da série, e uma aventura ilustrando respostas para as perguntas de leitores.

A série está em um crescendo e demonstra que é possível narrar fantasia em quadrinhos sem que se tenha que tornar-se uma série de heróis e fantasia, o quê reduziria as escolhas estéticas e morais da série.

Vale citar uma atenção especial para as excelentes capas do brasileiro James Jean.

Volume
Nome
Edições
01
Lendas no Exílio
#01-05
02
A revolução dos bichos
#06-10
03
O livro do amor
#11-18
04
O último castelo; #19-21; #23-27
05
#22; 28-33
06
#34-41
07
Noites (e dias) da Arábia
#42-47
08
Lobos
#58-51
09
#52-59
10
#60-69
11
Guerra!
#70-75

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…