Pular para o conteúdo principal

A grama do vizinho

Há um sentimento de diminuição do brasileiro. Nós nos achamos inferiores.

Certamente na área de entretenimento de massas não somos uma referência, mas produzimos novelas que alcançam o mundo e livros que tem tiragens superiores a 300 mil cópias (estou me referindo a livros de autores nacionais).

2011 marcou os quadrinhos por que a DC Comics fez um novo reboot.  

Ãh tá! A DC já fez isto antes e a Marvel já fez uma dezena de ensaios.

O reboot da DC Comics teve uma série que vendeu quase 200 mil cópias. Certo. Bonito. Mas a maior tiragem de uma série em quadrinhos do hemisfério ocidental em 2011 é Turma da Mônica Jovem #34 com 500 mil cópias!

E outra: a edição um desta série já tinha vendido 400 mil cópias.

O fato só ganhou repercussão quando saiu no site Bleeding Cool.

Foi lá que também foi divulgado que a FIQ 2011 em Belo Horizonte (MG) teve mais visitantes (148 mil) que a Comic Con San Diego (130 mil).

Certamente a feira de San Diego teve um volume de negócios melhor, por que serve como holofote para lançamentos de livros, games, consoles, filmes, cards etecetera. Mas, no Brasil um evento de quadrinhos atraiu 148 mil pessoas! É fato! E nós não temos uma produção nacional estruturada e de massa. Há gente competente trabalhando, há trabalhos fantásticos, mas falta uma estrutura gerencial, a tão propalada figura do editor que poderia transformar bons quadrinhos em clássicos.

Mas chato mesmo para mim foi o auê em cima da liberação de documentos que comprovam que a Marvel sob a direção de Jim Shooter esteve realmente negociando com a DC Comics para publicar os quadrinhos da divina concorrente no anos 1980.

Na imprensa ninguém se lembrou que um pesquisador nacional Roberto Guedes já tinha publicado um texto em 2.002 sobre o assunto e posteriormente em seu livro A era de bronze dos quadrinhos tratou do tema de forma mais extensa.

Questionado pelo O silêncio dos carneiros, Guedes disse que não acredita que os veículos de informação só façam brilho para o material externo, mas a opinião deste blog é que sim, nós primeiro valorizamos o externo e quando produzimos material tentamos imitar este padrão. Mesmo que fizessem o auê, poderiam ao menos no rodapé dizer “conforme já apontado pelo pesquisador Roberto Guedes foram liberados documentos que comprovam”.

Os americanos só olham para o próprio umbigo. Talvez seja a hora que também olharmos exclusivamente para o nosso.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…