Pular para o conteúdo principal

Fringe, 4ª Temporada

Em setembro de 2011 a série de TV Fringe retornou para mais uma temporada. Garantido a temporada o risco ainda não tinha diminuído, mas ao menos estava sob controle. Explico: a série havia sido transferida da quarta para a sexta-feira, uma troca que indicava uma trajetória para o cancelamento em breve. Mas, além de manter os índices, Fringe conseguiu ampliá-los.

A trama é a seguinte: Peter Bishop conseguiu de alguma maneira reunir versões alternativas de Walter Bishop (seu pai) e Oliva Dunham (parceira na Divisão Fringe, onde ele e seu trabalham como consultores).

Ele acredita que as duas equipes irão trabalhar em conjunto para resolver um problema de destruição de ambos os universos.

No entanto, no processo ele foi apagado da existência!

Os Observadores, em primeira instância responsáveis por tudo por terem salvo o garoto na infância, acreditam que o destino de Peter foi cumprido e que ele deveria ser realmente apagado. Mas sabem que há uma falha: Peter está tentando entrar em contato com a equipe Fringe, ainda sem sucesso.

Na abertura da temporada a Divisão Fringe tem que aceitar a participação do Agente Lee desta dimensão – existe um equivalente na outra dimensão desde o início da 3ª temporada e sua popularidade convenceu os produtores a criar a versão daqui – numa investigação que mostra que há transmorfos em ação. Olivia desconfia que Walternative os está controlando e escondendo a informação já que ambas as equipes são obrigadas a compartilhar os conhecimentos.
O início de temporada é normalmente moroso. No episódio seguinte eles contratam um professor que ensina o comportamento humano para conseguir pistas de sua versão na outra dimensão que é assassino serial. Se isto não é suficiente o terceiro episódio da quarta temporada mostra a ligação empática entre um gigantesco fungo e um garoto, criando o preâmbulo necessário para Walter narrar que resgatou Peter da outra dimensão mas o gelo fino do lado rompeu-se e o garoto morreu afogado.

Walter acredita estar alucinando e chega a iniciar uma lobotomia mas é interrompido por Olivia que admite ter a mesma alucinação e mostra um desenho para o cientista.

Peter misteriosamente retorna.

Antes do gap o resto dos episódios é sobre Peter Bishop tentando provar sua origem e restabelecer as ligações de amizade e companheirismo, sendo rechaçado por Walter (que esteve em risco de voltar para a Clínica, já que em um universo sem Peter ele está sob responsabilidade do FBI) e incapaz de voltar ao nível de romance com Oliva (que mostra em vários momentos uma simpatia especial pelo Agente Lee).

Curioso início.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…