Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: O dia mais claro #07


Chega às bancas O dia mais claro #07 com a tradução das edições #13-14 de Brighest Day. Não me impressiona, ainda que eu goste bastante do Gavião Negro e tenho certeza que a leitura de algumas tramas que compõem a série são superiores à outras. A trama do Gavião Negro/Moça-Gavião perde um pouco da credibilidade quando o inimigo deixa de ser Hath-Set e passa a ser a Rainha Lanius, a mãe de Shiera.

As imagens são fortes, a ação é boa, mas não convence...

E Desafiador depois de tentar passar o anel branco para Ressurreição tenta com Batman, que graças à conexão temporária percebe a existência de Maxwell Lord. O bom neste caso é ter uma edição inteira dedicada a este imbróglio com a arte de Ivan Reis/Joe Prado, uma das melhores duplas atuais de artistas para séries de heróis.

Ao picotar as tramas a DC Comics tenta mostrar ao leitor uma possibilidade narrativa diferente, mas nem tanto. Mesmo não sendo semanal como 52, Contagem Regressiva e Trindade, O dia mais claro é quinzenal e não apresenta uma verdadeira novidade. As tramas são longa e cheias de enchimentos para manter o interesse do leitor. Talvez seja um erro. Teria mais impacto uma Aquawar (nome genérico das tramas do Aquaman/Mera na série) se fosse uma edição especial de 60-80 páginas ou uma série em três partes?

Talvez.

Picotar as tramas enche o leitor com histórias que ele não quer ler e coisas visualmente interessantes mas que não levam a lugar nenhum como a trama do Desafiador. Bonita por que é produzida por esta equipe, mas facilmente resolvida em uma história de 22 páginas.

Ao tentar evocar as antologias como Adventure Comics (no fim dos anos 1.970) e tentar mostrar um objetivo comum para uma série de personagens muito distintos, a DC nos presenteia com muitas páginas e pouca história.

Indicado para fãs do Universo DC, apenas.

Por Geoff Johns & Peter J. Tomasi, Ivan Reis, Ardian Syaff, Joe Prado e Vicente Cifuentes.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!