Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: O dia mais claro #07


Chega às bancas O dia mais claro #07 com a tradução das edições #13-14 de Brighest Day. Não me impressiona, ainda que eu goste bastante do Gavião Negro e tenho certeza que a leitura de algumas tramas que compõem a série são superiores à outras. A trama do Gavião Negro/Moça-Gavião perde um pouco da credibilidade quando o inimigo deixa de ser Hath-Set e passa a ser a Rainha Lanius, a mãe de Shiera.

As imagens são fortes, a ação é boa, mas não convence...

E Desafiador depois de tentar passar o anel branco para Ressurreição tenta com Batman, que graças à conexão temporária percebe a existência de Maxwell Lord. O bom neste caso é ter uma edição inteira dedicada a este imbróglio com a arte de Ivan Reis/Joe Prado, uma das melhores duplas atuais de artistas para séries de heróis.

Ao picotar as tramas a DC Comics tenta mostrar ao leitor uma possibilidade narrativa diferente, mas nem tanto. Mesmo não sendo semanal como 52, Contagem Regressiva e Trindade, O dia mais claro é quinzenal e não apresenta uma verdadeira novidade. As tramas são longa e cheias de enchimentos para manter o interesse do leitor. Talvez seja um erro. Teria mais impacto uma Aquawar (nome genérico das tramas do Aquaman/Mera na série) se fosse uma edição especial de 60-80 páginas ou uma série em três partes?

Talvez.

Picotar as tramas enche o leitor com histórias que ele não quer ler e coisas visualmente interessantes mas que não levam a lugar nenhum como a trama do Desafiador. Bonita por que é produzida por esta equipe, mas facilmente resolvida em uma história de 22 páginas.

Ao tentar evocar as antologias como Adventure Comics (no fim dos anos 1.970) e tentar mostrar um objetivo comum para uma série de personagens muito distintos, a DC nos presenteia com muitas páginas e pouca história.

Indicado para fãs do Universo DC, apenas.

Por Geoff Johns & Peter J. Tomasi, Ivan Reis, Ardian Syaff, Joe Prado e Vicente Cifuentes.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…