Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead [2x01] – What lies ahead


Este é um início difícil para a série The Walking Dead. A primeira temporada (veja aqui) foi um sucesso de público e seus episódios mostram uma linha ascendente de espectadores. O último episódio foi recorde de público para a TV por assinatura e este primeiro da segunda temporada também quebrou o recorde.

Mas então por que difícil?

Primeiro porque o Frank Darabont, produtor que tinha uma visão para a série, foi demitido. Segundo, pelas expectativas sobre o andamento da série. Agora com 13 episódios a série poderá cobrir o material do segundo encadernado e ir além, inserindo conceitos novos nos episódios e dando espaço para experimentalismos que certamente não irão agradar a todos os fãs.

Tudo bem afinal os “fãs” que se consideram “donos da verdade única” são os leitores da série mensal um número que não alcança 50 mil edições vendidas, ainda que tenha chamado atenção nos encadernados, especialmente durante a exibição da série.

A série não é de “terror”, mas sim, um drama em um mundo consumido por uma praga zumbificante disseminada por contágio.

Não interessa como se iniciou o contágio.


O quê interessa é a história dos sobreviventes. É um truque muito usado nas telinhas, veja o caso da primeira e segunda temporadas de Lost, quando conhecemos o passado das pessoas que caíram na ilha. Aqui não vamos conhecer o passado antes da praga, mas haverá espaço para sentimentos, espaço para paixões, amores e ódios. É isso que irá nos motivar a continuar a assistir a série: a nossa paixão pelos personagens. À medida que nos importarmos com eles continuaremos assistindo ao show.

Quando isso passar (este amor, este sentimentos de que a história deles nos importa) iremos para o show seguinte.

O episódio de abertura é simples e sua condução já mostra o ritmo da temporada. Com 1 h e 03 min há espaço para muitoaenrolação, o quê poderia ser chamado de “criar o clima”.

Em fuga o grupo de sobreviventes se depara com uma barreira na estrada e em seguida com uma “horda” de errantes (como os zumbis são chamados na série).

Uma das garotas do grupo, a menina Sophia, afasta-se e some na selva próxima, levando os sobreviventes a procurarem por ela até o entardecer do dia seguinte.

Sem sucesso e próximo de desistir, Rick, seu filho Carl e o “amigo” Shane se aproximam de um veado selvagem. O menino fica fascinado e o trio não percebe que o animal é alvo de um caçador! O tiro atravessa o veado e atinge Carl!

O episódio termina com o menino sangrando às portas da morte!































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…