Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: DC + Aventura #01

Batman, o homem morcego deve ser um dos personagens que mais tem aventuras solo nos quadrinhos.

Por aventura solo estou chamando aquilo que no mercado americano chamasse “one shot”, que é uma edição especial com uma história fechada, sem continuidade. Aqui, tomo a liberdade de alterar o conceito de “one shot” para incluir também as histórias fechadas nas séries mensais do personagen. Isto é uma licença poética, já que estritamente “one shot” é uma edição especial com história fechada. Por sinal em Vertigo #16 a Panini traduz “one shot” como “edição fechada”, mas duvido que use a expressão em uma capa de revista.

Consigo, de imediato, pensar em uma dez talvez vinte histórias do Batman para receberem a atenção de uma edição de preço acessível para ganhar leitores. Poderíamos ter uma edição “fácil” de ser comercializada com a arte de Neal Adams (A noite do lobisomem), poderíamos ter alguma coisa do período de Chuck Dixon, Alan Grant e Denny O’Neil, alguma história solo de Gerry Conway ou algo mais recente de Devin K. Grayson, além de uma ou outra dezena de autores. Poderíamos ter a excelente “Um homem que cai” ou alguma coisa com arte de Paul Gulacy ou Alan Davis.

Mas apesar disto a Panini decidiu que seria melhor em sua série de revistas a preço acessível (R$ 1,99) publicar a primeira história do Batman (Detective Comics #27, 1939) e a origem do Capuz Vermelho, histórias bem antigas e recentemente publicadas no Brasil em outras séries. Veja nas coletâneas DC 70 Anos e Batman 70 Anos.

Acho que nem mesmo a justificativa de que haverá a publicação da série com o atual Capuz Vermelho (Jason Todd) seria suficiente para entender a escolha.Por isto acho que a série poderá sofrer uma rejeição de fãs e amargar nas bancas.

Veremos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…