Pular para o conteúdo principal

Dwayne McDuffie

Morreu na última segunda-feira, 21/02, o autor Dwayne McDuffie, conhecido pelo trabalho com o selo Milestone, animações da Warner Brothers e mais recentemente por uma fase na série da Liga da Justiça.

McDuffie, negro, sempre acreditou com o mercado de hq's deveria ter uma representatividade maior e oportunidade igual para os negros. Criou e gerenciou o selo Milestone que agregou autores negros e personagens idem. O selo foi parcamente publicado no Brasil, resumindo-se a uma edição pela editora Magnum e um cross-over com as séries do Superman em especial Superman The Man of Steel na época escrito por Louise Simonson e com arte de Jon Bogdanove. Este evento chama-se Quando os Mundos Colidem!

McDuffie trabalhou com animações de sua própria criação (Ben10 e sua franquia) e com as séries Justice League e Justice League Unlimited, em ambas produzindo um trabalho que chama a atenção para qualidade e caracterização certeira dos personagens. Pelo bom trabalho nas séries da TV foi convocado pela DC Comics para conduzir a série mensal da equipe após a saída de Brad Meltzer.

Sua histórias sofreram graves interferências editorais e são em geral consideradas um período negro para a equipe. Tendo que trabalhar com personagens secundários e perdendo e ganhando à sua própria revelia membros para a equipe a todo momento, além de ter que lidar com os macro eventos da DC Comics como O planeta dos condenados, Novo Krypton, Descanse em paz e Crise Final, o autor deixou claro seu descontentamento em seu fórum na Internet e foi punido com a demissão da série. Fica a lição que foi sabiamente seguida por J M Straczynski na Marvel quando Joe Quesada – seu amigo, amigo? - alterou diversas tramas do Aranha e o autor calou-se, assinando o roteiro das aventuras como seu.

McDuffie produziu ainda uma série chamada “Milestone Forever” que “fundiu” os personagens do sub-universo Milestone com o universo oficial da DC Comics a “Nova Terra”, um desdobramento dos acontecimentos de um arco na série da Liga.

Em 2.010 trabalhou na adaptação da Liga da Justiça: Crise em duas Terras e agora em 2.011 trabalhou na adaptação do roteiro de All-Star Superman, baseado em uma série de Grant Morrison & Frank Quitely.

Pela soma dos bons produtos que deixaram que ele lançasse no mercado e como ser humano engajado em uma causa, McDuffie irá fazer falta no mercado.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…