Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Batman #98

Começam os lançamentos de 2.011 e Batman #98 traz a segunda parte do arco “Vida após a morte” publicado originalmente em Batman #693 com roteiro e arte de Tony S. Daniel e finais de Sandu Florea.

Numa história pouco empolgante que só serve para criar cenário para as séries do homem morcego com o uso de um falso Bruce Wayne, a possível colaboração entre as Aves de Rapina e o novo Batman, Dick e o interesse em Caçadora para ciúmes de Barbara Gordon e o retorno de Charada ao crime. Numa festa para a sociedade para o anúncio do novo Asilo Arkham são feitas novas conexões e há um atentado à bomba. No cais corpos de homens dos Falcone.

Tramas desconexas, imagens impactantes. Hum... é a esperança que Daniel consiga juntar todos estes elementos e produzir uma história de verdade.

Já Batman and Robin #7 e 8 de Grant Morrison & Cameron Stewart melhora sensivelmente a edição. Enquanto Damian está hospitalizando nos laboratórios de seu avô, Dick trabalha com o Cavaleiro e a Escudeira para impedir uma série de atentados na Inglaterra, encontrando a longa trama da religião do caos e a Batwoman. De quebra citando a série A noite mais densa, mas sem anéis ou um “levante-se!” (ou seja, usa o conceito geral de retorno mas não tem elementos que faça o leitor do encadernado entender que perdeu algo) há a ressurreição de Batman num poço de Lázarus.

E o leitor tem o primeiro vislumbre da razão do trás de tudo quando percebemos que Darkseid cloneu Batman! E usou o clone para fazer os heróis perderem a esperança!

Muito divertido e com uma sequência de tirar o fôlego com Batman e Escudeira nas ruas de Londres.

A nova Batwoman e a religião do crime surgiram em “52”. Retornaram em “Questão: A bíblia do crime”. Atualmente Batwoman tem uma série regular em Detective Comics, que está sendo publicada no Brasil em A sombra do Batman. As tramas de Batwoman e Questão em geral são escritas por Greg Rucka. Este depois de colaborar muito no último ano nas séries do Superman decidiu se afastar da DC Comics para dar atenção à sua série autoral “Queen & Country”.

Batman “morreu duplamente” em “Descanse em paz” e “Crise Final” (aqui). Tim Drake, o Robin de então, acredita que Bruce está vivo e abandonou Gotham e segue aleatoriamente pistas que possam sustentar tal crença. Assumiu um novo manto, chamando-se agora “Robin vermelho” e sua série é narrado em “Red Robin” publicada no Brasil em A sombra de Batman. A atual dupla dinâmica é formada por Richard “Dick” Grayson e Damian Head (filho de Talia Head e Bruce Wayne).

Desde que iniciou a escrever as histórias de Batman, Morrison produziu um texto afiado e geralmente muito bom, exceção feita à Descanse em paz, deveras lisérgica. Ele ressuscitou um conceito dos anos 1.950 sobre vários “homem morcegos” ao redor do mundo, nem sempre usando o manto de morcego, mas com um conceito geral semelhante. O Cavaleiro e a Escudeira são os representantes na Inglaterra. A macro trama ainda vai dar muito pano para manga.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…