Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Reinado Sombrio #10 e #11

Reinado Sombrio é aquela simpática série mensal da Panini Comics que mostra várias ações de Norman Osborn como dirigente da organização MARTELO e dos Vingadores Sombrios. Imitando a verdadeira mutação de Wolverineque é aparecer em uma dúzia de séries mensais todo mês – Osborn ainda tem tempo para dirigir administrativamente a equipe Thunderbolts e perseguir os Guerreiros Secretos de Nick Fury.

A edição #10 de Reinando Sombrio é composta por Dark Avengers #09 de Brian Michael Bendis (roteiro) e Mike Deodato (arte) onde Ares descobre a ligação entre seus filho e Nick Fury e Victoria descobre que Norman não está tão controlado quanto pensa.

Boa trama, mas ligada à trama maior do Universo Marvel.

Secret Warriors #8 e #9 por Jonathan Hickman e Alessandro Vitti mostra Norman tentando matar Nick Fury, apenas para descobrir que é um MVA e o “Guerreiros Secretos” fugindo dos Vingadores Sombrios.

Sabe-se lá como meninos conseguem fugir de psicopatas e de um deus da guerra!

A edição Reinado Sombrio #11 é composta por Dark Avengers #10 da mesma equipe do número anterior, que mostra uma cidade onde as pessoas desaparecem e os Vingadores Sombrios são obrigados a irem até o local por favor político.

Surpresas e mais loucura para Normie...

Thunderbolts #136 de Andy Diggle, Pop Mahn e Carlos Rodriguez mostra a fuga de Viúva-Negra e Soprano e a revelação de Flagelo é o Bazuca (do arco Demolidor - A queda de Murdock). Sombras, espionagem, reviravoltas, Normie nervoso com a fuga, mas falta algo para o leitor se importar com o destino dos personagens e a razão para Carrasco, Fantasma e Paladino traírem a equipe e permitirem a fuga. Em alguns momentos dá sono!

E para concluir Secret Warriors # 10 por Hickman e Vitti que mostra vários momentos da história de Alexander – o filho de Ares – criando uma linha cronológica e sentido para as tramas que vinham acontecendo. O garoto é levado para um julgamento, onde deuses de vários panteões iram analisar se ele está pronto para ascender para a qualidade de semi-deus.

No fim Secret Warriors parece um filme longo e tortuoso sobre a relação entre pai e filho e Dark Avengers parece a vitória definitiva do mal, deixando um louco no poder. As duas séries, especialmente, Dark Avengers, merecem ser lidas, mas é difícil encarar as buchas que somam ao título, sejam elas Thunderbolts ou Deadpool ou X-Men.

* * *

A esta altura do campeonato a Panini já devia ter fazendo publicidade de O cerco, o próximo evento a ser traduzido nos quadrinhos Marvel. Este evento não necessita de Dark Avengers para ser entendido, mas quem leu a série, assim como Novos Vingadores, Thor e Capitão América achará tudo bem mais saboroso.

Lembrem-se que com O cerco termina o Reinado Sombrio e por extensão a série nacional homônima.

Que título irá substituir Reinado Sombrio?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…