Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Liga da Justiça #96

Está disponível desde o último final de semana a edição número 96 da série Liga da Justiça da editora Panini Comics.

A edição traz a conclusão de Liga da Justiça: Clamor por Justiça (Justice League: Cry for Justice #07 de abril de 2.010) por James Robinson (roteiro), Mauro Cascioli, Scott Clark & Ibraim Roberson (arte) e Cascioli, Clark, David Beatty & Roberson (finais) mostrando que o vilão Prometheus ou qualquer outro que desejar pode realmente fazer frente aos heróis icônicos da DC Comics. Infelizmente lembra em muito várias séries que mostram a destruição apenas para chocar o leitor e estabelecer uma nova diretriz para a editora.

Parte das conseqüências serão vistas nas séries Green Arrow e O dia mais claro que possivelmente serão traduzidas em 2.011.

Voltarei em breve à série.

Seguimos para a estréia de James Robinson na série Justice League of America # 38 de dezembro de 2009, com arte de Mark Bagley (Ultimate Spider-Man, Trindade) e finais de Rob Hunter. Pegando os destroços da Liga, atingida duplamente nos números anteriores de sua própria série e na série Grito de Liberdade, Robinson começa a construir uma narrativa, mas ainda tem que lidar com a exigência de escrever um arco de ligação entre Liga e o evento A noite mais densa.

Despero novamente ataca a sede da equipe e encontra Homem-Borracha, Víxen, Drª Luz, Tornado Vermelho, Cigana e Zatanna. Mais “segunda linha” que isto só mesmo a escalação de Cry for Justice.

Para em muito com dezenas de outros materiais: a equipe alquebrada tem que enfrentar mais um último desafio antes de iniciar a recuperação.

Para concluir Blackest Night: The Flash #01 (fevereiro de 2010) por Geoff Johns e Scott Kollins, minissérie em três partes que começa a ser publicada aqui. A galeria dos vilões pretende “cuidar” dos “companheiros” que irão retornar no evento, enquanto Flash enfrenta o ressurgido Flash Reverso – no início dos anos 1.980 Barry Allen quebrou o pescoço do Flash Reverso, matando-o; isso significa que o Flash Reverso da série The Flash: Rebirth (aqui) é um viajante do tempo.

Divertido em função da arte adequada de Kollins, mas não cheira nem fede. Com isso, falta apenas as séries Blackest Night para Mulher Maravilha e Sociedade da Justiça, que tem Universo DC, Liga da Justiça, Lanterna Verde e a própria série nacional A noite mais densa para serem publicadas. No entanto, alguns cross-overs com séries que são inéditas no Brasil como Patrulha do Destino e R.E.B.E.L.S não devem ser publicados.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…