Pular para o conteúdo principal

Clássicos são clássicos!

Assim como não creio em mortes na Marvel e DC – alguém crê na morte de um dos membros do Quarteto Fantástico? Apresente-se! - também não creio em adaptações em quadrinhos de obras literárias.

Estou lendo “Grandes Esperanças” de Charles Dickens da Clássicos Abril Coleções volume 33, com tradução de José Eduardo Ribeiro Moretzsohn. É um camalhaço com 650 páginas!

Já li a adaptação Classic Illustrated – com 48 páginas – e vi o filme mais recente, mas nem um, nem outro são capazes de arranhar a linha narrativa e expositiva da sociedade inglesa que o livro alcança.

A ficção traça um perfil do modelo de castas sociais inglês e da impossibilidade de migrar de uma para outra narrando a vida de Pip, um garoto criado por sua irmã e pelo cunhado, o ferreiro Joe Gargery, que durante sua vida trava conhecimentos com várias pessoas, mas nenhuma tão impressionante como a senhorita Havisham, uma mulher amarga abandonada no dia do casamento, que vive em reclusão.

Ao conhecer Havisham e sua protegida, Estela, Pip tem a consciência de sua desimportância e sonha com dias melhores – daí o título – que surgem para ele com um misterioso personagem que decide financiar estudos e sua ascensão social.

E isto toma o terço inicial do livro!

Fantástica narrativa de uma sociedade, assim como as obras de Jules Verne, Dickens constrói um quadro minucioso de uma época.

- - -

Ainda bem que ninguém resolveu fazer um filme de “Deuses Americanos” (Neil Gaiman) ou uma graphic novel de 60/80 páginas.

As adaptações concentram-se na ação e nos pontos chaves, mas os personagens, as tramas, as motivações exigem um detalhismo maior.

É uma pena que o oportunismo não faz os editores perceberem isto.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!