Pular para o conteúdo principal

Tocha Humana: Recriando uma lenda

A Marvel Comics foi fundada nos anos 1.930 com o nome Timely. Neste período seus principais heróis foram Tocha Humana, Namor e Capitão América.

A partir do surgimento de Robin na DC Comics – 1.940 – todo os heróis ganharam o “parceiro mirim”, uma criança que o seguia em suas aventuras, uma estratégia pensada para que os leitores infantes tivessem com quem identificar-se.

Se Batman tinha Robin, Tocha Humana tinha Centelha (ou Toro), Namor tinha Namorita e Capitão América tinha Bucky – que surgiu junto com o Capitão em 1.941.

Tocha Humana original (“original” por que em 1.961 Stan Lee reutilizou o conceito e nome num personagem da equipe de heróis Quarteto Fantástico) era um andróide construído com uma super-tecnologia ainda não muito bem explicada.

Quando a Marvel – agora chamada Atlas – trocou as aventuras de heróis por monstros, romances, western e sci-fi nos anos 1.950, o Tocha foi esquecido, até retornar nos anos 1.960. Roy Thomas criou o Visão e Steve Englehart, anos depois, disse que disse que o novo andróide era construído com peças do projeto do Professor Horton e foi modificado pelo vilão Ultron, tornando o membro dos Vingadores. Visão aproveitava o design e conceito geral de outro personagem homônimo dos anos 1.930.

No início dos anos 1.990, descobriu-se que a história era bem mais complicada é que Visão não era o Tocha. Assim o andróide original retornou e viveu aventuras com os Vingadores da Costa Oeste, ganhando inclusive uma série que recontava sua origem por Roy Thomas, também em função da exposição provocada pela série Marvels de Kurt Busiek e Alex Ross.

Em Vingadores Eternamente (1.998/99) Busiek corrige as discrepâncias da histórias de Tocha e Visão e em Vingadores/Invasores (2.007/08), Ross reintroduz Centelha – dado como morto desde uma aventura trinta anos atrás.

Ross tinha planos específicos como Tocha Humana e Centelha, que continuam na série em oito partes “The Torch” (aqui Tocha Humana, Panini Comics, 2 edições bimestrais), onde Centelha tenta vingar-se do Pensador Louco – responsável por sua morte – e acaba aprisionado e servindo de cobaia para um experimento que utiliza as células Horton. De bandeja recria-se o Tocha, há um confronto com Namor – algo clássico, constantemente recriado – e se pavimenta o caminho para uma terceira série utilizando os conceitos que Ross trabalhou em Vingadores/Invasores e Tocha Humana.

Com história de Alex Ross & Mike Carey, roteiro de Mike Carey – conhecido autor inglês, responsável por várias séries da Vertigo, em especial Hellblazer e Lucipher – e arte de Patrick Berkenkotter – devidamente orientada por Ross – a série é acima da média e funciona muito bem sozinha ou acompanhada com Vingadores/Invasores já que não é uma continuação e não necessita da leitura de uma para entender a outra.

Boa oportunidade para conhecer um dos personagens mais antigos dos quadrinhos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…