Pular para o conteúdo principal

Já que está tudo mundo falando...


Neonomicon é a primeira série de Alan Moore pela Avatar.

Assassinatos copiando referências literárias aos textos de HP Lovecraft – famoso escritor gótico – e com um artista que lembra demais Steve Dillon, faz com que o texto de Moore lembre Garth Ennis, autor que com Dillon criou a série Preacher. Ennis é nojento. Moore, aqui, fica nojento e meio.

Alan Moore é um artista polêmico. Revelou, inclusive que escreveu a história só para pagar uma dívida com o Imposto de Renda. Ótimo, por que não há nada de inovador na série e lembra apenas uma sequência de bestialidades, satanismos e sodomias. Realmente a cena de um estrupo em uma orgia é inovadora por não mostrar, mas tem um efeito de criar uma repugnância terrível no leitor. Claro que o sujeito que acha Druuna uma obra de arte e filmes pornôs do gênero “gang-bang” pode ver algo que não vi.

Com narrativa lenta e arrastada a série mostra que até os maiores escritores produzem material menor para satisfazer $ua$ nece$$idade$ mundana$. O problema é que as verdadeiras obras primas que Moore criou como Miracleman, V de Vingança, Monstro do Pântano e Watchmen podem ficar contaminadas. Moore é um “mago” - entenda-se o quê quiser, mas certamente um satanista – e seu texto mais recente reflete isto. Para alguma entidade começar a procurar referências ao ocultismo em suas outras obras – sem contar aquelas que realmente as têm como Monstro do Pântano e Promethea – e assim iniciar uma campanha fundamentalista contra ele, é daqui pr'ali.

Moore, um escritor há muitos anos luz de quase todos no atual mercado, só perde com isto. Que diferença tem em se vender para a Avatar ou para as majors do mercado norte-americano? Será que o orgulho de produzir algo para a Marvel ou a DC é maior do quê a sensação de pesar ao perceber que se tornou uma paródia de si mesmo, apenas um “escritorzinho” para uma série pornô-gótica-satanista disfarçada de trama policial?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…