Pular para o conteúdo principal

Já que está tudo mundo falando...


Neonomicon é a primeira série de Alan Moore pela Avatar.

Assassinatos copiando referências literárias aos textos de HP Lovecraft – famoso escritor gótico – e com um artista que lembra demais Steve Dillon, faz com que o texto de Moore lembre Garth Ennis, autor que com Dillon criou a série Preacher. Ennis é nojento. Moore, aqui, fica nojento e meio.

Alan Moore é um artista polêmico. Revelou, inclusive que escreveu a história só para pagar uma dívida com o Imposto de Renda. Ótimo, por que não há nada de inovador na série e lembra apenas uma sequência de bestialidades, satanismos e sodomias. Realmente a cena de um estrupo em uma orgia é inovadora por não mostrar, mas tem um efeito de criar uma repugnância terrível no leitor. Claro que o sujeito que acha Druuna uma obra de arte e filmes pornôs do gênero “gang-bang” pode ver algo que não vi.

Com narrativa lenta e arrastada a série mostra que até os maiores escritores produzem material menor para satisfazer $ua$ nece$$idade$ mundana$. O problema é que as verdadeiras obras primas que Moore criou como Miracleman, V de Vingança, Monstro do Pântano e Watchmen podem ficar contaminadas. Moore é um “mago” - entenda-se o quê quiser, mas certamente um satanista – e seu texto mais recente reflete isto. Para alguma entidade começar a procurar referências ao ocultismo em suas outras obras – sem contar aquelas que realmente as têm como Monstro do Pântano e Promethea – e assim iniciar uma campanha fundamentalista contra ele, é daqui pr'ali.

Moore, um escritor há muitos anos luz de quase todos no atual mercado, só perde com isto. Que diferença tem em se vender para a Avatar ou para as majors do mercado norte-americano? Será que o orgulho de produzir algo para a Marvel ou a DC é maior do quê a sensação de pesar ao perceber que se tornou uma paródia de si mesmo, apenas um “escritorzinho” para uma série pornô-gótica-satanista disfarçada de trama policial?

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!