Pular para o conteúdo principal

Flash: Rebirth

Flash: Rebirth, minissérie em 6 partes publicada no final de 2.009, assim como a série Green Lantern: Rebirth é uma série para reintroduzir um personagem “morto” no Universo DC (DCU) e ambos são produzidas por Geoff Johns (roteiro) e Ethan Van Sciver (arte).

Não pense que a DC tem exclusividade no assunto, já que a Marvel teve recentemente Captain America: Reborn. Ambas as editoras vira-e-mexe matam e retornam com suas personagens, mas poucos estavam mortos há tanto tempo quanto Flash – desde 1.985 – e Bucky – desde 1.964.

Flash: Rebirth, diferente da série do Lanterna Verde que foi bem escrita ou da série do Capitão, que foi bem desenhada e tinha conceitos sci-fi interessantes, não funciona! Não empolga em nenhum momento e fica-se com a impressão que faltou algo a acontecer. Parece apenas um prelúdio para a série mensal do personagem... algo como uma história que poderia ter rendido uma edição edição número “zero” com algo como sessenta páginas.


Vamos às explicações. Barry Allen é o segundo e mais famoso Flash da editora americana DC Comics. Depois de um longo arco em sua série mensal no início dos anos 1.980, Flash se afastou da Liga da Justiça e foi viver no futuro.


Retornou na série Crise nas Infinitas Terras (1.985) onde fez o sacrifício máximo para destruir uma máquina do vilão Antimonitor, a entropia encarnada. Acreditava-se que havia morrido e por 22 anos foi assim...

A partir de 1.987 seu sobrinho, Wally West assumiu o manto de Flash, tornando-se o terceiro velocista da editora.

Em Crise Infinita (2006) descobriu-se que Allen não estava morto, mas fora atraído por uma energia chamada força de aceleração que abastece todos os velocistas da editora. Ao perceber isto, Eobard Thawne – o Professor Zoom ou Flash Reverso – cria condições para que Barry retorne ao nosso mundo durante o evento Crise Final (2008), mas a gente só descobre que ele esteve envolvido agora – explicação que pela falta de detalhes, não convence.

Note que Marv Wolfman – criador e escritor de Crise nas Infinitas Terras – disse em entrevista que havia deixado um gancho para o retorno de Allen. Johns apenas explorou antes que alguém o fizesse.

O resumo da história é o seguinte: Barry Allen retornou, está desajustado, tentando ficar distante dos amigos e parentes e descobre que se tornou uma nova versão do Flash Negro, matando pessoas que tem acessos à força da aceleração. No meio da série descobrimos que ele estava sendo manipulado por Thawne e não era responsável pelas mortes, e daí para diante é ajustar os atuais velocistas para fazer frente ao vilão.

Ficam duas tramas em aberto, uma envolvendo a Cidade Gorila e o os dois Flashes Reversos – Thawne e Solomon Hunter – e outra envolvendo Abracadabra.

De definitivo e bem delineado somente a carreira como investigador de cenários de crimes e sua obsessão em descobrir quem matou a sua mãe, Nora Allen, o que resultou na prisão de seu pai. Este mistério é resolvido. Aparentemente este será o foco da série mensal “Flash” que vem em seguida.

Resta, por fim, saber o quê Thawne estava fazendo no presente e como tinha acesso à tecnologia e conhecimento para alavancar estes eventos.

A DC já elegeu Flash para o personagem de 2.011 graças ao evento Flashpoint, mas com a atenção à série do Lanterna Verde que terá um filme lançado no próximo ano é bem provável que a editora decida aproveitar a fama de um para explorar a capacidade d'outro.

Veremos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…