Pular para o conteúdo principal

Universo Marvel volume 2 #01

Como parte de sua estratégia de ampliar o mercado ou ao menos de mantê-lo a Panini Comics reinicia a série “Universo Marvel” como um título de 146 páginas a R$ 14,90 (R$ 0,102 por página).

A edição #01 de maio de 2.010 traz The Incredible Hulk #600 por Jeph Loeb, Ed McGuinness e Mark Farmer que faz sentido para quem está acompanhando a série de aventuras do Hulk que já perdura um ano e meio. Fora estes privilegiados a trama não tem muito sentido.

Em seguida temos Reinado Sombrio: Elektra #01 e 02 de Zeb Wells, Clay Mann e Mark Pennington, que conta o retorno da assassina depois que foi liberada ao final de Invasão Secreta e sua fuga da sede da M.A.R.T.E.L.O. A história é legal, mas explora a idéia de mulher fatal e agentes destreinados ou que não estão atualizados, algo que já se viu por aqui umas mil vezes.

Fantastic Four # 566 de Mark Millar, Bryan Hitch e Cam Smith/ Andrew Currie/ B. Hitch mostra a chegada d“O mestre do destino” - o nome do arco – e mostra um ser místico super-poderoso que está orientando o Dr. Destino. Ele está insatisfeito com a eficácia do vilão. Boa história e parece ser um inicio de um bom arco. Veremos.

A edição termina com Daredevil volume 2 # 116 e 117, com o prólogo e capítulo 1 de “O retorno do rei”, o canto de cisne de Ed Brubaker na série Demolidor que assumiu após a saída de B. Michael Bendis. É a melhor história da edição. O número 116 tem arte de David Aja e Stefano Gaudiano e o 117 tem arte de Michael Lark e Gaudiano. Excelente história, excelente arco, mas fica cada vez mais visível que a Marvel necessita explorar ad eternum os mesmos personagens, incapaz de transferir a expectativa para novos caracteres. Ainda assim vale a pena.

No geral uma boa edição, ainda que um pouco cara.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…