Pular para o conteúdo principal

Céu vermelho e o final de temporada de V, IV: Status final

Hobbes entra em contato com Marcus, o vice-líder V, e não se sabe onde realmente está sua lealdade. Ryan volta à comunhão com Anna na nave-mãe. Jack faz um sermão contra trocar Deus pelos visitantes e afasta fiéis, mas aparentemente aproxima o recém esclarecido Chad Decker.

Hobbes não revela à Erica, Jack e Ryan que tem uma pesquisa de um cientista que havia sido perseguido pelos V e pela força-tarefa. Ele negocia com Marcus em troca de uma nova identidade com passado limpo e dólares. Hobbes tem uma rede de colaboradores que o auxilia, mas não revela a existência dela aos colegas, nem fica claro o alcance dela.

Erica é obrigada a prender o pesquisador para manter as aparências, mas num breve diálogo descobre que é um vírus mortal que pode afetar répteis. Ela se apropria de uma amostra da pesquisa. Como complicador: apenas parte dos dados estavam no HD do pesquisador e outras com seus colaboradores. Estes colaboradores supostamente estão mortos.

O cientista é cedido aos visitantes pelas autoridades humanas depois que se finge o ataque direto à Lisa, que foi espancada, cortada e teve as penas quebradas diretamente ou por ordem de Anna. Um ataque à uma nave de uso exclusivo V faz com que os terroristas sejam vistos como criminosos, já que dentro estavam humanos.

Jack entra em conflito pois foi responsável pela morte de pessoas (lembre-se que ele é um padre), mas a situação é resolvida quando Erica analisa fotos e vê evidências de que os corpos são falsos. No entanto, as fotos que poderiam servir como prova são apagadas do servidor do FBI.

Irada com o ataque aos seus ovos-soldados, Anna que já havia convocado uma esquadra de sua raça, ativa um mecanismo que deixa os céus vermelhos.

O programa manipula nossa expectativa com o final da temporada para nos fazer acreditar que se iniciou um ataque mais direto à Terra, mas nada indica isto!

Os humanos não vêem as novas naves aproximando-se, apenas um céus vermelho ou com nuvens flamejantes vermelhas. Como é uma vingança de Anna ao ataque sofrido, se pressupõe um endurecimento.

Em setembro/outubro saberemos.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…