Pular para o conteúdo principal

Lost [6x17 & 18] – O fim IV: Que fim foi este?

Finais de séries são traumáticos.

The Sopranos, a melhor série de drama da década de 2.000, termina mostrando que não acabou, apenas as histórias não serão mais narradas.

Battlestar Galactica terminou mostrando que a paz é possível e o entendimento desejável. E que a partir disso pode-se começar algo novo.

Lost termina mostrando que tudo foi um longo campeonato e que houve crescimento para os envolvidos, mas o expectador não se sente confortável em saber que o que viu foram diversas cenas de ação e tensão para dar sentido à necessidade de atrair público e vender cotas de patrocínio.

Lost mostra o quê há de mais constante na TV: produtores se reúnem numa grande convenção e criam idéias que não se sustentam, mas talvez – e preste atenção no talvez – a idéia funcione e atraia público e comecemos um longo jogo de gato e rato com 22 pistas anuais até a audiência cansar.

Quando isto acontecer juntaremos as pistas num caldeirão. Algumas boiarão e estas serão utilizadas pois ficaram à vista. As outras... quem se importa?


Talvez por isso as duas apostas da ABC para manter o interesse da audiência após Lost, as séries FlashForward e V, sejam tão pouco interessantes. A primeira já se confirmou como fracasso e a segunda não mostra a que veio e talvez tenha que ter inícios e finais de temporadas bombásticos para manter o interesse do público.

Fiquei mais satisfeito com os finais de temporadas de Two and a half men (comédia com Charlie Sheen, Jon Cryer e August T. Jones) que encerrou bem a sétima temporada prometendo mais comédia machista e poucos elogios aos adolescentes americanos na próxima temporada já confirmada, mas paradoxalmente mostrando a relevância da família na formação do caráter do indivíduo.

Também me impressionou o final de Smallville, série que acreditava estar defunta e enterrada e que rendeu bons episódios como “Absolute Justice” e “Salvation”.

Mostrando um compromisso de apresentar um Superman ao final da série, os envolvidos assinaram contrato para a 10ª e última temporada. Pode não ter todos os episódios de qualidade, mas o uso de uma trama por temporada, a apropriação de personagens dos quadrinhos e construção de suas versões, e o crescimento dos personagens fazem o diferencial.

Pode até nem todos os episódios de Smallville serem bons, mas a maioria se salva e é possível desenhar uma linha mostrando onde os personagens estavam, o quê aconteceu e onde estão.

No final, Smallville, capengando e mostrando os conflitos adolescentes do Superman cercado por um elenco de mulheres influentes mas não fazendo sexo com quase nenhuma delas, explorando um conceito de 72 anos até tirar a última gota de água da pedra é mais relevante que uma série que individualmente é mais impactante, tem personagens mais bem construídos mas pistas demais que levam a lugar algum e uma conclusão pífia.


Daqui a 20 anos, quando terminar o reboot de Lost (ninguém falou, mas haverá, contem com isso) e também terminar a próxima série do Superman, as pessoas vão achar poética o final de Lost e funcional a série Smallville.

Pouca gente gosta ou entende poesia, mas sentar à frente da TV e assistir a algo que faça sentido e tenha uma linha temporal compreensível é fundamental para garantir que, na semana seguinte, esteja lá novamente o expectador.

Smallville terá um início claro, um meio confuso, mas uma direção ao qual foi.


Lost teve impacto, impacto, impacto, impacto e um final que tenta costurar tantos impactos de modo a dar sentido individual e coletivamente à eles. Mas os buracos provocados pelos impactos já eram grandes demais.

E então ninguém consegue um remendo tão grande de maneira eficiente.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…