Pular para o conteúdo principal

Crisis in the Thunderbolt dimension! (1983)

Em Justice League of America v1 # 219-220 nossos amigos Roy Thomas & Gerry Conway (texto), Chuck Patton (lapis) e Romeo Tanghal (finais) fazem com que o gênio de Johnny Thunder, o Thunderbolt ataque o encontro anual das equipes Liga da Justiça e Sociedade da Justiça, deixando vários membros da Liga inconscientes.
Está estabelecido o 21º encontro anual das equipes .
No decorrer da trama há espaço para a Canário Negro relembrar os fatos que a trouxeram para a Terra-1: até aquele momento acreditava-se que a Canário era a heroína clássica da Terra-2 que após a perda do marido durante um encontro entre as equipes, decidiu reconstruir sua vida na Terra-1.
Não demora muito para que os mesmos vilões do primeiro encontro entre as equipes, apareçam como os Campeões do Crime e ocupem parte das ações do evento dividindo as equipes.

Mas o mistério das ações de Thunderbolt faz com que Starman (Ted Knight) e Canário Negro vão para a Dimensão de Thunderbolt onde encontram Johnny Thunder... o Johnny Thunder da Terra-1 controlando o gênio!
Não bastasse isso, de brinde o fim do mistério das duas Canários Negro!
No fim da solução é simples: Dinah, a Canário da Liga, havia sido amaldiçoada na infância pelo Mago, e a pedido dos pais foi levada pelo Gênio para a dimensão dele me modo a crescer e controlar os poderes que recebeu. Quando a Canário original e o esposo foram atingidos por Aquarius, ela visitou a dimensão do Gênio que sugeriu a troca de corpos e as memórias falsas, iniciando a colaboração com a Liga em Justice League of America v1 # 75.

Com participação de Sargon, o mago (que também trocou a Terra-2 para pela Terra-1) e do Espectro, talvez o encontro soasse melhor se houvesse uma concentração na questão do T-Bolt e do gêmeo de Johnny Thunder.

Com a história dividida entre os vilões normais, de modo a ter alguém para os heróis baterem, e o vilão que ninguém poderia derrotar (o Gênio que volta ao controle do Johnny Thunder da Terra-2), fica evidente que foi um arremedo para consertar as dúvidas em relação à Canário Negro. Roy Thomas até agradece à Marv Wolfman pela idéia.

Wolfman ao longo dos anos colecionou várias destas deficiências entre os personagens DC e tentou corrigi-las definitivamente unificando os universos com a Crise.

A história confirma que as pessoas da Terra-1 acreditam que os heróis da Terra-2 são apenas personagens de quadrinhos e não é público a existência de um Multiverso!



Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…