Pular para o conteúdo principal

Sarcófago: Milênio

Milênio (1988) escrita por Steve Englehart, desenhada por Joe Staton e com nanquim de Ian Gibson foi a mega-saga da DC Comics para fins de 1.987, início de 1.988.

Nela os Guardiões do Universo acreditam ser interessante que a humanidade tenha uma evolução forçada e escolhem alguns membros para tanto. Os Caçadores Cósmicos, a primeira tropa criada pelos Guardiões, no entanto, acreditam que a evolução deve ser espontânea e tentam atrapalhar os planos dos Guardiões.

Enquanto as oito edições da série semanal se concentram no treinamento dos escolhidos, a morte e recusa de uns e finalmente a ascensão de outros, as séries mensais da DC Comics apresentam a figura do caçador infiltrado, onde todo herói teria um. Veja post em separado com a narrativa de cada edição.

É estranho comentar a série quase 12 anos depois de publicada e ver que não se aproveitou nada. Os Guardiões e a Tropa passaram por profundas mudanças e ninguém citou nominalmente os acontecimentos nas séries Green Lantern e Green Lantern Corps nos últimos quatro anos. Dado a tantas revisões cronologias seria não seria muito incorreto dizer que o evento foi anulado, mas isto não é oficial, apenas conjectura minha.

Florônico deixou a escala de vilão e uma história backup de Neil Gaiman para um anual do Monstro do Pântano (publicado em Monstro do Pântano – Irmãos, da Brainstore Editora) mostra que a série resultante do evento, The New Guardians, morreu breve – em Invasão! a saga seguinte já dava amostras do destino...

Tudo parece convergir que um diálogo mal escrito em Green Lantern # 200 foi o motivo da existência da série (no diálogo os Guardiões falavam de um evento importante em breve na Terra) e tudo não passou de um longo engano. Dos títulos resultantes do evento o melhor foi Caçador (Manhunter) com Mark Shaw, publicado por aqui em Os Novos Titãs. Um dos personagens principais do núcleo formado com o Esquadrão Suicida e Xeque-Mate, Shaw morreria num evento posterior e sua série foi cancelada sem maiores explicações para os leitores nacionais.

Qual o motivo de Milênio ser tão ruim?
O traço estilizado de Staton & Gibson beirando a caricatura é o motivo mais forte.

A série tem pouca ação e muitos diálogos com tons transcendentais sobre evolução e a natureza das coisas, afastando o leitor comum de heróis, ainda que nas séries mensais e nos confrontos aja sim, bastante ação. A desimportância do evento no macro-cosmo da DC Comics é a segunda causa.

Diferente de Crise nas Infinitas Terras (1985/86), Lendas (1987) e Invasão! (1.989), que até hoje são referências de boas histórias com os personagens da editora, Milênio normalmente é saltado quando foi se ler histórias do baú. O estilo de Englehart talvez estivesse ultrapassado. Na década seguinte ele trabalhou no selo Ultraverse da Malibu Comics, sem brilho maior.

No final tudo se reduz a dois ou três quilos de papel que você tem vergonha de ter pago e se questiona se uma fogueira não seria o fim mais adequado.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…