Pular para o conteúdo principal

Doctor Who [3x10] Blink (2007)

Quando eu assisto aos episódios de Doctor Who, a cinquentenária série de ficção científica inglesa, especialmente os mais recentes (2010-2013) vejo com estranheza a adoção de muito da cultura norte-americana, ainda que eu entenda que um viajante do tempo não deva ficar preso a uma época e estilo (e tome-lhe a cabine telefônica azul!).

Episódios com alienígenas no Oeste americano ou naves egípcias voando parecem se aproximar de fórmulas cinematográficas adaptadas para a TV de baixo orçamento – ironicamente uma característica do show – com o objetivo de fazer um programa que tenha alcance a plateias que consumam produtos da TV americana.

Blink, episódio exibido em 9 de junho de 2007, escrito por Steven Moffat e dirigido por Hettie MacDonald, consegue ser “inglês” e inventivo ao se aproximar de uma narrativa bem Twilight Zone. Na trama o Doutor e sua assistente de plantão estão presos nos anos 1.960 e a Tardis em 2.007, cercada por criaturas que lembram anjos de pedra. Estas criaturas se movem quando as pessoas não olham para elas, daí o título “piscar”, em uma tradução livre. Eles capturam as pessoas e as jogam na corrente do tempo e devem ter feito isto à dupla central antes do início do episódio.

O objetivo do Doutor é convencer uma fotógrafa amadora a colaborar com ele a partir de recados deixados embaixo de papéis de paredes e gravações em alguns DVDs de filmes que a garota admira (como ele conhecia os filmes que ela gostava?).

O tom do episódio, no entanto, é diferente do padrão da série. O Doutor é um coadjuvante que aparece pouco, enquanto o foco está na fotógrafa que percebe as mensagens na parede, nos vídeos e no sumiço de pessoas próximas (que são arremessadas no tempo e enviam mensagens para ela, em um método semelhante à De Volta para o Futuro que tem uma sequência copiada sem dó, mas com um item adicional que é a impossibilidade do fato... até que ele ocorre).

Aos poucos, pela aparência ameaçadora que as criaturas de pedra assumem o episódio se transforma em uma história de terror, sem que haja um banho de sangue ou mortes chocantes.

Um excelente episódio capaz de apresentar muitos conceitos da série e introduz o Doutor a quem não o conhece, assim como fazer os saudosistas salivarem de saudades de Twilight Zone e Outer Limits.
 








Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…