Pular para o conteúdo principal

Stormbringer Livro 1: Dead God's Homecoming

Darnizhaan spoke urgently, almost in terror. “Elric, you have been duped! Somewhere you have been give a conscience. You must join with us. Only if the Lords of Chaos can establish their reign will we survive. If they fail, we shall be obliterated!”
Good!”
Limbo, Elric. Limbo! Do you inderstand what that means?”
I do not care. (...)”


Stormbringer é uma coletânea de quatro noveletas de Michael Moorcock que tem como personagem principal o último Imperador Feiticeiro de Melniboné, Elric de Melniboné. A primeira edição da coletânea data de 1.965, publicada no ano seguinte do encerramento do ciclo. É comum nos trabalhos de Moorcock que ele revise o trabalho quando publicado em um novo formato, assim o livro A espada diábolica (Livraria Francisco Alves Editora, 1975) tem uma versão mais curta da história.

O livro é composto pelas noveletas Dead God's Homecoming, Black Sword's Brothers, Sad Giant's Shield e Dommed Lord's Passing. A primeira destas foi publicada em Science Fantasy #59, junho de 1.963.

[A trama]
A história geral da coletânea trata sobre a influência das forças do Caos e Ordem se enfrentando pela posse do mundo em que vive Elric. Aqui os exércitos ocidentais e orientais – este auxiliado pelas forças do Caos – se enfrentam em campos abertos e selvagens batalhas e Elric é envolvido quando os Dead Gods percebem que sua espada Stormbringer e a irmã, Mournblade, supostamente perdida, podem fazer frente ao retorno deles.

A noveleta tem quatro cortes distintos. No primeiro Zarozinia, esposa de Elric, é sequestrada e o espadachim albino é obrigado a ir para os distantes campos de batalha. No segundo momento ele encontra o primo Dyvim Slorm enfrentando as forças de Pan Tang ao lado das forças da Rainha Yishana. As forças são miseravelmente derrotadas e Elric trava conhecimento com Sepiriz que lhe conta parte das verdades que necessita ouvir: sua esposa foi sequestrada por forças ligadas aos deuses antigos que desejam retornar. Como as espadas põem em risco a existência deles, pretendem trocar Zarozinia por Mournblade – que estava em posse de Seperiz e seu grupo, Os Dez – e Stormbringer.

Há então, a batalha central da história, onde Elric e Dyvim enfrentam o demônio Darnizhaan, responsável pelo sequestro de Zarozinia.

Na conclusão e quarto momento, Elric pede explicações à Seperiz sobre algumas acusações que faz o demônio acerca da destruição do mundo e o envio de todos eles para o esquecimento. Seperiz confessa ser verdade, e que o mundo tombará ante as forças do Caos, e continuará a existir como uma terra devastada e sem vida ou ante as forças da Ordem, que destruirá o mundo e o reconstruirá sem lembranças da Era que ficou para trás.

Elric, querendo ou não, é parte central destes destinos. O trio deixa Seperiz para trás e parte para vingar-se das forças orientais, mas o príncipe albino está relutante de seu papel neste jogo cósmico.

[A crítica]
Apesar de meu apreço pelo primeiríssimo conto de Elric, The dreaming city, Dead God's Homecoming facilmente empata por ter muito da narrativa atual de literatura fantástica e quadrinhos: une os personagens e dá um objetivo, que se não cumprido resultará em desgraça e neste caso para toda a realidade. Sabe-se claramente o qu~e está acontecendo, o quê os personagens devem fazer e sempre há o conflito em Elric sobre suas escolhas.

O conto funciona e cita personagens e eventos anteriores sem que haja necessidade alguma de que se leia as histórias prévias. No momento em que necessita de uma maior explicação, Moorcock narra em linhas gerais os acontecimentos do primeiro conto, The dreaming city, mas nada que diminua a tensão da narrativa e a impressão de que algo de ruim acontecerá com os envolvidos como, por sinal, sempre ocorre nas aventuras de Elric.

É interessante notar que o simples fato de que não há, na narrativa, vítimas fatais do lado de Elric, reforça a impressão de que algo muito ruim acontecerá em seguida.

Um excelente começo para o arco.

As imagens que compõem este post são da série Elric: Stormbringer (1997) escrita e desenhada por P. Craig Russell e publicada em sete números pela Dark Horse/Topps Comics.















Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…