Pular para o conteúdo principal

Game of Thrones [3x03] - Walk of Punishment

Longe da lenga-lenga comum à segunda temporada, a terceira temporada da série de TV Game of Thrones tem velocidade e diálogos rápidos. Em Porto Real Tyrion é nomeado Mestre da Moeda, enquanto Lorde Baelish, o Mindinho recebe a missão de ir até o Vale para conseguir o apoio da tia louca de Robb Stark. Este último, por sinal, está enterrando o avô, Hoster Tully em Correrio, questionando o tio inepto e lá o exilado BlackFish retorna para casa.

BlackFish é um Tully que teve profundos desentendimentos com o irmão, agora falecido. Seu apelido “peixe negro” é um equivalente à expressão “ovelha negra”. Apesar dos desentendimentos exclusivamente com o pai de Cattely, ele é profundamente querido por sua sobrinha, que acredita implicitamente que ele é o herdeiro mais adequado para as posses da família do que o fraco irmão.

Lembre-se que a tia louca de Robb é quem começou toda a trama, quando Lorde Arryn, Mão de Robert Baratheon morreu e o rei decidiu convidar Ned Stark para ocupar o cargo. Naquela época a irmã de Cattelyn, Lysa, viúva de Arryn e então senhora do Vale, avisou à Ned em uma mensagem secreta que seu esposo havia sido assassinado. Temendo pela vida do amigo Robert, Ned aceita o cargo, disposto a trazer à luz a trama.

Tyrion recebendo os livros-caixa para sua nova condição, descobre que Mindinho não roubava da coroa, mas percebe que o reino deve tremendas quantias à sua família (os Lannisters, famosos por empréstimos) e a banqueiros em Bravos. Note que isto não é um fato novo na série, Ned Stark quando assumiu como Mão se opôs ao torneio que foi realizado na época, e uma de suas argumentações era a falta de fundos.

Com a descoberta da origem nobre de Arya, Thoros a mantêm, assim como ao Cão, mas não como prisioneira. Mas Torta Quente fica para trás na estalagem. A feiticeira vermelha abandona temporariamente Stannis Baratheon. A trama tem um significado oculto. Stannis pede à Melissandre um novo “filho” - um demônio das sombras, como o que matou Renly na temporada anterior. A feiticeira responde que o “fogo do rei arde fraco”, algo que soma à figura de Stannis, tido como alguém que não tem muito apreço pela companhia feminina.

Theon Greyjoy foge com o auxílio de um estranho, é quase capturado novamente pelos mesmos homens que não revelam sua origem, e então é resgatado por aquele que facilitou sua fuga, que por sinal se mostra um hábil arqueiro. Note que apesar da tortura esta trama é quase nonsense. Greyjoy foi capturado mas não sabe por quem. É torturado apesar de fornecer as repostas aos seus captores. Descobre na prisão que sua irmã implantou um espião para agir no momento adequado – será? Este espião facilita a fuga e consegue garantir que Theon sobreviva. Mas os leitores dos livros, como eu, sabem que a vida de Greyjoy não tem nada de segura e que ele apenas escapou da frigideira para o fogo. Antes de morrer um dos captores, ao ver o arqueiro exclama “Seu bastardo...”deixando uma dica bem clara de quem pode ser estar pretenso salvador.

Macen Ryder decide usar seus guerreiros para transpor a Muralha e atacar a Patrulha da Noite, agora com profundas baixas. Envia para Tormund e Jon Snow. A Patrulha, à contragosto pernoite novamente nas terras de Crasten. Uma de suas filhas esposas, à qual Sam Tarly já havia se afeiçoado na temporada anterior, dá à luz um menino e sofre pois sabe que o recém nascido será sacrificado aos deuses que Crasten adora.

Em Astapor, Daenerys oferece um dos dragões como pagamento pelos oito mil soldados, apesar das críticas de Mormont e Selmy, que são imediatamente advertidos que não devem criticá-la abertamente.

Mas rouba o episódio a trama de Brienne e Jaime Lannister. Capturados por homens de Roose Bolton a dupla fica a mercê da humilhação e estupro. Jaime consegue argumentar que Brienne vale mais com sua virgindade intacta, mas irritado com o discurso do Lannister seu carcereiro decepa sua mão direita – a mão da espada!

O terceiro episódio da terceira temporada foi ao ar no domingo, 14 de abril de 2013. Esta temporada adapta metade do livro A tormenta de espadas em 10 episódios. A vindoura quarta temporada – em 2014 – adaptará a segunda metade do livro. Tudo indica que o divisor de temporadas seja o evento conhecido pelos leitores como o casamento vermelho, que aparentemente será à altura do nono episódio desta temporada.

[Defeitos]
Apesar de haver ação e diálogos inteligentes e descritivos o suficiente para posicionar o espectador, a série sofre bastante com os cortes a cada três a quatro minutos. Com isto, tramas que tem grande importância parecem apenas adereços na história, como as tramas de Jon Snow além da Muralha e a Patrulha da Noite. Todas as informações estão ali, mas a trama parece ser um mero detalhe no picadeiro, cujo centro ilusoriamente é Porto Real.









































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…