Pular para o conteúdo principal

Livros: Men$alão de Marco Antonio Villa

Lembro bem que estava na faculdade quando ouvi a primeira menção ao mensalão e o momento, como a morte de Tancredo Neves ou de JFK para os que vivenciaram, ficou gravado em mim.

Entendi imediatamente que houve a compra de apoio e que o Partido dos Trabalhos (PT) seguia os rituais mais nefastos em nome de uma governabilidade.

Fiquei triste. Desiludido até e rompi ao reconhecer os ecos daquele discurso de governabilidade e associações espúrias até mesmo a nível municipal. Tudo em nome de se conquistar o poder. Mais ainda em nome de permanecer com ele.

Men$alão: o julgamento do maior caso de corrupção da história política brasileira, ISBN 978-85-8044-642-5, Leya (2012) de Marco Antonio Villa se propõe a expor o julgamento da Ação Penal 470 e no percurso reconstitui o crime cometido pelos dirigentes do PT. É um livro didático, delicioso e essencial para entender o Brasil e a importância que tem um longínquo Ministro do Supremo e como o presidente anterior à Dilma Rousseff se preocupou em empossar pessoas simpáticas à sua retórica de que não houve mensalão.

Não nos cabe mais opinar se houve ou não mensalão, isto já está claro para a mais alta corte do país. O que nos cabe é conhecer a história e impedir que existam outras versões do mesmo crime.

O livro tem dezenas de citações dignas, mas escolhi duas já do final:

Como [os dirigentes petistas] estão acostumados a lotear as funções públicas, até hoje não entenderam o significado da existência de três poderes independentes e, mais ainda, o que é ser ministro do STF. Para eles, especialmente para Lula, ministro da Suprema Corte é cargo de confiança, como os milhares criados pelo partido desde 2003. Daí que já começaram a fazer campanha para que os próximos nomeados sejam somente aqueles de absoluta confiança do PT, uma espécie de "ministro companheiro". E assim sucessivamente, até conseguirem ter um STF absolutamente sob controle partidário.
A recepção da liderança às condenações demonstra como os petistas têm uma enorme dificuldade de conviver com a democracia.

E

A estratégia petista conta com o apoio do que há de pior no Brasil. É uma associação entre políticos corruptos, empresários inescrupulosos e oportunistas de todos os tipos. O que os une é o desejo de saquear o Estado. O PT acabou virando o instrumento de uma burguesia predatória, que sobrevive graças às benesses do Estado. De uma burguesia corrupta que, no fundo, odeia o capitalismo e a concorrência, e encontrou no partido – depois de um século de desencontros, namorando os militares e setores políticos ultraconservadores – o melhor instrumento para a manutenção e expansão dos seus interesses.
(...)
Não faltam Constituição, códigos, leis, decretos, um emaranhado caótico. Mas nada consegue regular o bom funcionamento da democracia brasileira. Ética, moralidade, competência, eficiência e compromisso público simplesmente desapareceram. Temos um amontoado de políticos vorazes, saqueadores do erário. Vivemos uma época do vale-tudo. Desapareceram os homens públicos. Foram substituídos pelos políticos profissionais. Todos querem enriquecer a qualquer preço – e rapidamente. Não importam os meios. São anos marcados pela hipocrisia. Não há mais ideologia. Longe disse. A disputa política é pelo poder, que tudo pode e nada é proibido.
Marco Antonio Villa, Men$alão (2012)


#espalhe_a_palavra

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…