Pular para o conteúdo principal

Os Novos 52: O cavaleiro das trevas retorna... de novo!

O resumo até o momento é o seguinte: Liga da Justiça reapresentou a equipe e Lanterna Verde, não!

Batman #01 (Panini Comics, R$ 6,50, 76 páginas) também vai para o caminho do Lanterna: não se preocupa em realmente apresentar os personagens.

Aqui talvez a questão seja que Batman é tão conhecido que dispensa apresentações. Mas o público geral não sabe quem é Richard Grayson, Tim Drake e Damian Wayne, os três filhos de Bruce Wayne, sendo apenas o último filho biológico. Por sinal, de onde tiraram que Dick é do tamanho de Tim?

A trama de Batman #01 de Scott Snyder, Greg Capullo e Jonathan Glapion, mostra ação, tecnologia, propósito do personagem Bruce Wayne, mas termina com um suspeito de assassinato impossível, já que é um dos colaboradores do homem-morcego. Bobagem desnecessária!

Mas de longe a melhor história da edição.

Depois Detective Comics#01 (Tony Daniel e Ryann Winn) explora o homem-morcego em uma posição semelhante à de Liga da Justiça #01, ou seja, perseguida pela polícia de Gotham City e tenta chocar o leitor com um novo vilão ultra violento. Consegue! Fiquei impressionado com o ato de violência... mas não com a história!
A edição termina com Batman: The dark knight #01 de Paul Jenkins e David Finch, onde Jenkins tenta dar um rumo para a trama de Finch, mas há um limite. Uma mulher fatal (lembra do início da fase de Grant Morrison?), uma fuga em massa do Arkham (lembra do início de A queda do morcego ou dos Novos Vingadores – Motim, desenhado pelo mesmo Finch?) e a edição terminando com o reposicionário temporário de um vilão.

No fim, o quê sobra é o novo uniforme de Batman, muito semelhante a uma armadura e bem distante do tecido sobre pele do passado.

Não é perfeita, mas cria expectativa para a edição seguinte.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…