Pular para o conteúdo principal

Miracleman vol 1 … um sonho de voar

Miracleman, a série, já tem tom de lenda. A história não é muito complicada e merece ser contada novamente: devido à luta de editoras americanas sobre o personagem Capitão Marvel (o SHAZAM!) que levaram ao término do material produzido, os editores ingleses, criaram uma “cópia” do personagem, o Marvelman (Miracleman, nos EUA, e Jack Marvel, no Brasil). Com os anos, mesmo esta cópia teve sua carreira encerrada.

Em 1981 o herói voltou a ser publicado na Inglaterra, agora sob a regência de um iniciante Alan Moore, que ainda não tinha feito suas colaborações com a DC Comics (Swamp Thing, Watchmen, Superman). A história publicada em capítulos de oito páginas na Inglaterra foi estruturada para o formato comics e publicada nos EUA, numa série da Eclipse Comics que durou 24 números.

O volume 1 “... um sonho de voar”, que corresponde às edições 1-3 americanas, foi escrito por Alan Moore e tem lápis de Garry Leach (até o capítulo 7) e Alan Davis, e resgata o personagem escancarando quão anacrônico e ridículo ele o é: um super-humano que quis ter recebido poderes de um cientista espacial e que os acessa através de uma “palavra mágica”. Além disso, trabalha em parceria com um adolescente (Young Miracleman) e um menino (Kid Miracleman) enfrentando ameaças alienígenas, super-vilões e viagens no tempo, até um desastre em 1.963, dezoito anos antes.

Mike Moran em 1981 se descobre um “superhomem” e se recorda das memórias que entre 63 e 81 ficaram submersas, num processo de cura. Após enfrentar alguns terroristas e narrar a história para sua esposa, que jamais ouviu falar de super-heróis ou dos Miraclemen, o próprio Moran acredita-se ridículo, até receber uma ligação de Kid Miracleman!

Era a chance de reencontrar sua “família”, mas então percebe-se diante de um monstro de gosta de ser superior ao restante da humanidade. Ao mesmo tempo, a “humanidade” percebe de um dos seus segredos sujos voltou à tona para assombrá-la, e o governo inglês tenta eliminar o problema, permitindo que se descubra a verdadeira origem do “superhomem”.

Miracleman trata da visão do “superhomem”, aqui o homem superior e sendo superior com algo de amoral em relação ao restante do mundo. Diferente de Supremo, do mesmo Moore, que era uma homenagem explícita aos quadrinhos do Superman nos anos 1.950, Miracleman é uma releitura de ideias de Nieztche usando como pano de fundo uma aventura do Capitão Marvel, e desconstruindo um mito, algo que o autor levaria à última instância em Watchmen.

O primeiro volume (re)apresenta Miracleman e os personagens da trama que se seguirá e já foi publicado no Brasil nos anos 1.980 pela Editora Tannos. Devido ao limbo de direitos autorais que a obra se tornou, há anos não é republicada em nenhum lugar.


Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…