Pular para o conteúdo principal

Novo personagem gay abala fandom

O fandom ficou fas-ci-na-do com o fato de que o Lanterna Verde Alan Scott poderá ser o novo personagem homossexual da DC Comics.

Não é só a Marvel que está dando atenção ao público gay leitor de quadrinho. Recentemente a Casa das Ideias, hoje parte da Disney, publicou uma edição onde mostrava o casamento de Estrela Polar, um mutante canadense homossexual, ligado inicialmente à Tropa Alfa.

A DC já teve personagens gays em seus quadros. Alguns apenas parte da exploração do interesse (em Teen Titans), outros tratados de uma maneira inteligente (Starman), assunto que já abordei por aqui recentemente.

Mas a editora que teve seu universo ficcional reestabelecido no ano passado, com o lançamento de 52 séries mensais – projeto que será publicado em junho no Brasil – decidiu explorar o tema da mesma forma que a concorrente: com muito hype!

Primeiro deixou vazar que um importante personagem da editora seria re-apresentado como homossexual e depois deixou vazar que seria o Lanterna Verde Alan Scott. Não houve confirmação oficial ainda,

Criado originalmente na Era de Ouro dos Quadrinhos, Scott, o primeiro Lanterna Verde da editora, nunca foi retratado como homossexual, teve filhos com uma vilã e era casado com uma mulher. A nova versão é parte de uma nova série em quadrinhos chamada Earth-2, que se passa numa realidade separada do universo tradicional da editora.

Ali Superman, Batman e Mulher Maravilha, a eterna trindade da DC Comics, foi morta após uma invasão alienígena e isto permite a ascensão de personagens secundários.

O conceito desta série mensal é muito levemente baseado no conceito de divisão em Multiverso existente antes da reformulação. Anteriormente no Multiverso havia sim, uma Terra-2, mas que não tem relação com esta apresentada nesta série. É apenas um novo uso para uma velha marca.

A notícia rendeu centenas de mensagens nos grupos de notícias de quadrinhos, geralmente mostrando apoio, mas nos EUA grupos conservadores acreditam que crianças supostamente heterossexuais não precisam de personagens homossexuais em posições importantes para se identificarem.

Resta saber se alguém em sã consciência ainda acredita piamente que quadrinhos são exclusivamente para crianças?

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…