Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos vol 6: Vida de agonia

Em outubro de 2011 a HqManiacs Editora publicou um novo encadernado, apenas três meses depois do anterior, aproveitando a estreia da segunda temporada da série de TV.

A história, que é uma continuação direta dos eventos de A melhor defesa, mostra o dia a dia em Woodbury e uma tentativa de incrementar os jogos envolvendo vivos e zumbis, mas Phillip Blake, o Governador, falha ao tentar a colaboração de Michonne.

No entanto um plano secundário é desenvolvido com facilidade: Blake envia o amigo Martinez para facilitar a fuga de Rick, Glenn e Michonne, ao qual se somam dr. Stevens e Alice. A intenção é que Martinez consiga a localização da base de Rick.

Michonne, estuprada e violentada de várias formas, prefere o caminho da vingança com requintes de crueldade e fica para ajustar as contas com Blake, enquanto o restante encontra a prisão federal tomada por zumbis!

[Crítica]
O conjunto das quatros graphic novels resultantes dos eventos das edições The Walking Dead #31-54 é um ponto alto na série em quadrinhos por expor a miséria humana e aquilo que o poder faz com quem o detêm.

Possíveis de serem lidas em separados e cheias de pequenos arcos as graphic novels crescem quando lidas em conjunto, pois são desdobramentos de uma situação: num mundo onde houve o apocalipse zumbi um grupo de sobreviventes toma posse de uma prisão federal que possui um estoque longo de alimentos, por isso passa a ser o objetivo de outro agrupamento. Em vez de negociar, o dirigente do segundo agrupamento, Phillip Blake, prefere impor sua visão de mundo.

Ele tenciona não apenas tomar os alimentos, mas escravizar os sobreviventes e utilizá-los em seu bizarro show de pão e circo.

O fácil é notar que Blake, ainda que seja cruel e realmente vilanesco, é apenas um homem louco que foi um passo além de Rick Grimmes. As mesmas escolhas que Rick fez, Blake havia feito desde o primeiro momento enquanto o policial estava em coma. Não há necessidade de ler o apêndice (A ascensão do Governador) para entender isso.

O certo é que houve algo mais com Blake que o tirou completamente de seu centro e o transformou num monstro sádico. O quê nós apenas podemos conjecturar, mas um rápido vislumbre das páginas da hq mostra que pode ser o destino de Amy ou a possibilidade de tornar-se líder. A ideia de ser um homem com poder e comandar a vida alheia seduz a muitos. Alguns são seduzidos de uma forma mais abrangente e deixam vazar a natureza humana.

Poderia Rick estar a caminho as mesmas escolhas? Ou se tornar um homem semelhante a Blake?

Robert Kirkman sabe!

Mais um achado de Kirkman (texto), Charlie Adlard (lápis e nanquim) e Cliff Rathburn (tons de cinza).


[Volumes de Os mortos-vivos]

Vol.
Lançamento
Edições #
Título
01
05/2006
#1-6
02
11/2006
#7-12
03
04/2008
#13-18
04
10/2009
#19-24
05
07/2011
#25-30
06
10/2011
#31-36
Vida de agonia
07
12/2011
#37-42
Momentos de calmaria
08
03/2012
#43-48
Nascido para sofrer

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…