Pular para o conteúdo principal

Fringe, Temporada 3, Parte 1


Como conclusão dos eventos da segunda temporada Peter Bishop é resgatado do outro universo e retorna para a dimensão padrão da série. Trás, no entanto, a Olivia Dunham daquele universo com a missão de se infiltrar na divisão Fringe e localizar dispositivos específicos que farão a diferença na possível guerra entre realidades.

A terceira temporada, exibida a partir do outono norte-americano de 2.010, mostra os desdobramentos desta situação. Esta Olivia se apaixona genuinamente por Peter e vive um breve romance. No oitavo episódio a trama é descoberta e ela retorna para sua dimensão de origem.


Enquanto isso, Walter do outro universo – chamarei de Walternative – usa lavagem cerebral com implantes químicos de memória, para convencer “nossa” Olivia que é a daquele universo. Ela conquista a confiança da Divisão Fringe, especialmente do Agente Broyles, que auxilia a desbaratar o caso do Candyman que anos antes havia sequestrado o filho do agente. Esta Olivia também é exposta a experiências que possibilitam voltar brevemente à nossa realidade e assim romper a lavagem cerebral.
Walternative prende a moça, que foge com a ajuda de Broyles. Retornando ao Laboratório em Harvard daquele universo, Olivia consegue as condições necessárias para o transporte definitivo, infelizmente à custa da vida do agente.

As Olivia trocam de universo e a guerra está prestes a começar.

Chama a atenção que o Walternative faz quarentena no locais em que houve brechas no universo utilizando um composto chamado âmbar 31422 (nome do episódio cinco da temporada), que originando-se como gás solidifica-se e assume uma aparência plástica, semelhante ao âmbar. Este episódio mostrou que as dezenas de milhares de pessoas congeladas neste processo estão vivas e podem ser despertadas. O Walternative culpa o nosso universo pelas brechas e responsabiliza pessoalmente o Walter Bishop daqui como autor das rupturas.

Apesar de diversas vezes ser apresentado como maligno, até o oitavo episódio da terceira temporada não há um indício claro de que a responsabilidade das rupturas seja de Walternative.

 










Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…