Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead agora só em 2012

No último domingo, 27 de novembro de 2011, foi exibido o sétimo episódio da 2ª temporada da série de TV The Walking Dead, exibida nos EUA pelo canal AMC. Este episódio marca a primeira metade da temporada que terá 13 episódios e agora haverá um gap – um intervalo – na temporada que retorna em 12 de fevereiro de 2.012.

A série de TV é uma adaptação livre da série em quadrinhos criada por Robert Kirkman e publicada pela Image Comics – há mais de três anos a série mensal mais vendida da editora, apesar de ser ainda mais influente nos encadernados. Atualmente a série já alcançou a 91ª edição. No Brasil a série é publicada em encadernados bissextos pela HqManiacs Editora. Foram publicados seis encadernados que cobrem os primeiros 36 números da série.

A série narra a sobrevivência de um grupo de pessoas num mundo que foi consumido por uma praga zumbificante: pessoas mortas retornam ao movimento físico para aplacar um insaciável desejo de se alimentar de carne e conseguem contaminar outras pessoas quando feridas. Com a queda dos meios de comunicação e a falta de coisas simples como telefone, internet, eletricidade e combustível a civilização se reduz a grupos de pessoas em busca de segurança oferecida pelo estado, sem, no entanto, saber onde encontrá-la.

O personagem central da série é Rick Grimmes que esteve em coma no início da infestação e acordou semanas depois em um hospital tomado por zumbis. Miraculosamente ele encontrou a família – sua esposa Lori e seu filho Carl – num grupo de sobreviventes liderado pelo amigo Shane.

Rick e Shane são policiais e o segundo desenvolveu uma afeição pela esposa do primeiro. Alimentado pelo fato que de Rick estava clinicamente morto a afeição tornou-se um caso, que foi rompido quando Rick retornou. Shane inicialmente submisso pela hierarquia militar começa a questionar a visão de liderança que Rick oferece.

No grupo há vários sobreviventes importantes, entre eles destacam-se:
Glenn – De origem oriental é o responsável por busca de alimentos e remédios, invadindo locais infestados por mortos-vivos. É ele que encontra Rick e o traz para o grupo no início da série.
Dale – um senhor vivido e experiente, percebe rapidamente a disputa de poder entre Shane e Rick. Alimenta uma grande afeição por Andrea. As vezes fica para trás por ser velho quando o grupo vai em busca de alimentos e remédios, geralmente acompanhado por T-Dog, que foi ferido. Cuida da vigilância e da mecânica dos veículos e é bastante equilibrado.
Andrea – Perdeu sua irmã, Amy, durante a primeira temporada e diversas vezes apresentou-se como uma suicida, sendo resgatada inclusive por Dale. Durante a segunda temporada tomou gosto por armas e tornou-se atiradora. Nesta altura da série tem um rápido interlúdio sexual com Shane, mas não há definição sobre o quê virá em seguida.
Daryl – Irmão de Merle Dixon, afeiçoou-se à mãe de Sophie e era um dos grandes entusiastas de localizar a menina.
T-Dog – Único negro do grupo, não tem uma função exata na trama, mas foi responsável pela perda da chave da algema do irmão de Daryl. Ao retornarem para resgatar Merle verificou-se que ele cortou a mão para fugir dos zumbis no alto de um edifício na primeira temporada. É um dos grandes candidatos a morrer a qualquer momento por não ter equivalente nos quadrinhos.
Carol – Violentada física e psicologicamente por seu marido Ed – morto na primeira temporada. Perdeu a filha, Sophia, no primeiro episódio da temporada e tinha esperanças de encontrá-la viva, algo que não aconteceu. Afeiçoou-se a Daryl que tem um comportamento tão violento quanto seu falecido marido.
Maggie – filha do primeiro casamento de Hershell. Tem um romance com Gleen.
Hershell – fazendeiro e veterinário, Hershell aceita tratar Carl que foi acidentalmente baleado por Otis ao final do primeiro episódio da temporada. Tem uma estilo antiquado de conduzir a vida e acredita que a praga é apenas uma doença, tendo uma cura. Por isso mantém secretamente vizinhos e parentes zumbificados no celeiro. O segredo, no entanto, vaza e há um extermínio destes zumbis ao final do sétimo episódio da segunda temporada, último exibido antes do gap. Como complicador há o fato de que dentro do celeiro estava a menina Sophie que o grupo estava buscando a pelo menos uma semana. Diante disso há duas possibilidades: a) Otis aprisionou o zumbi da menina e não teve tempo de relatar para Hershell ou, b) Hershell o fez ou sabia e se recusava a contar para o grupo.

A série de TV apresenta algumas modificações em relação ao original nos quadrinhos, especialmente o fato de que Shane teve pouca sobrevida na hq, momento que é muito esperado.







































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…