Pular para o conteúdo principal

Astro City Special: Silver Agent (2010)

Todo ciclo tem um início, um meio e um fim. Kurt Busiek em sua Astro City mostra isso de diversas maneiras. Seus personagens envelhecem e alguns morrem definitivamente sendo substituídos por seus parceiros mirins que não teimam em não assumir o fardo para qual foram treinados.

Silver Agent, uma minissérie em duas partes, é um posfácio para a série Astro City: Dark Ages, mas o assunto abordado por aqui começou muito antes. Desde a primeiríssima série Astro City, lá nos anos 1.990, sabíamos que a cidade tinha feito algo com o herói e que se envergonhava disso. Há uma estátua no Parque não lembrar as pessoas da vergonha. Mas não se sabia o quê e quais foram as circunstâncias. Nas séries Astro City: Local Heroes e Dark Ages (esta em 4 volumes de 4 partes), descobrimos o que aconteceu e um uso inteligente para a viagem no tempo nos quadrinhos. Não é novidade, pois Busiek já tinha usado o recurso com inteligência antes quando abordou a história de Jack-In-The-Box.

A série mostra a origem do Silver Agent, que vem de uma família que se honra em proteger e servir à sociedade e como venceu a poliomielite para se tornar-se primeiro um servidor (um simples carteiro) e depois um herói (após uma experiência com super ciência).

Incriminado e preso, Silver Agent é resgatado minutos antes de sua execução e enviado para um distante futuro. Cumprindo lá seu novo papel e auxiliando uma equipe de agentes que se inspiraram nele e formaram uma corporação, compreende que sua viagem de retorno à sua época de origem irá provocar uma série de paradas que auxiliarão a humanidade em vários momentos de dificuldade, até que retorna ao exato momento em que foi levado e assume seu papel na história.

Uma história reveladora sobre ainda termos alguém que presa servir ao coletivo, à sociedade e se regojiza no fato... mas aí termina a edição e voltamos à realidade: é ficção!

… Mas não deixa de ser uma boa e desejável ficção.

Por Kurt Busiek (texto), Brent Anderson (arte) e Alex Ross (capas e designs).











Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…