Pular para o conteúdo principal

Brave New World with Stephen Hawking


Séries científicas lotam a grande de programação dos canais de documentários como Discovery Channel, History Channel e Nat Geo. Além destes e dos desdobramentos deles (Discovery Travel & Living, Discovery Home & Health), há uma dezena de outros que não tem correspondente direto no Brasil como Channel 4.

Alguns programas são interessantes para engenheiros, outros para militares, outros para entusiastas de ficção científica (sci-fi) como eu.

No recente primeiro programa da série Brave New World with Steph Hawking do Channel 4 descobrimos que a Google, aquela empresa desconhecida que tem tantos braços quanto (im)possível nas mais diversas áreas, que começou com um sítio de busca eletrônicas na Internet e que é dona, entre outros, do Orkut, do Gmail e inclusive do Blogger (o sítio que hospeda este blog) já desenvolveu uma tecnologia que permite que veículos trafeguem nas mãos sem a necessidade de um motorista.

O sistema que usa o princípio do sonar, enviando 64 raios laser e codificando a posição dos objetos a partir da distância destes, permite que se marque um destino e se vá até ele sem nenhum esforço real.

Você pode supor ser sci-fi pura, mas o modelo é bem real e mesmo ainda não tendo sido fabricado em série, nos EUA o estado de Nevada já alterou sua legislação de modo que seja possível a autorização para o uso deste veículo.

Qual o interesse do Google?

Ora! Além da tecnologia ser sua e vendê-la para as empresas automobilísticas, existe um ganho “oculto”: ao marcar um destino através do painel eletrônico no veículo, a empresa poderá cruzar os dados de sua viagem com os dados de seu braço Google Earth, onde ela vende propagandas, ou com os dados do Google Panoramio  que vincula fotos a lugares – atualmente um sítio “menor” da empresa. O cruzamento destas informações irá possibilitar receber uma foto no celular (ou escanear de uma revista) e “jogar” no sistema do veículo, que irá estabelecer a rota mais econômica para o local e levá-lo, se assim desejar do mesmo jeito que o Google Earth já sugere rotas para você.

Será assim tão sci-fi? Lembre-se que já existem carros com dispositivos de estacionamento eletrônico.

“O futuro não é mais como era antigamente”.








Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…