Pular para o conteúdo principal

O palhaço à meia-noite

Clique na imagem para ampliar
Publicada originalmente em Batman #663 (abril de 2.007) – no Brasil em Batman #65 de abril de 2.008 – O palhaço à meia-noite evoca a boa lembrança de Morte à meia-noite e três – com estrutura semelhante – e das aventuras pulps.

Aqui os imagens de John Van Fleet servem como flashs violentos para o texto em prosa de Grant Morrison.

Saborosíssima a aventura narra mais um fuga do Coringa do Arkham e um plano de eliminação sistemática de seus comparsas para demonstrar que o Príncipe Palhaço do Crime tomou para si mais uma de suas personas e tornou-se irremediavelmente cruel e inumano.

Sorva num entardecer de inverno ou em altas horas de uma madrugada de sexta-feira.

Clique na imagem para ampliar
------
post scriptum: Claro que os fãs deverão notar que o Coringa mostrado na série Detective Comics de Paul Dini & Don Kramer tem pouca ou nenhuma relação com o Coringa mostrado na série Batman de Grant Morrison, ambas contemporâneas. Por mais que, após um quebra-cabeças inicial, seja possível montar uma cronologia que mostraria a possibilidade de serem o mesmo personagem, devemos admitir que são versões bem distintas e inconciliáveis do Arlequim do Crime, que em Detective Comics após um sequestro de Robin durante o fim de ano (#826) se fere e é resgatado por um ilusionista fascinado pelos criminosos de Gotham. Ele mata o ilusionista e durante algum tempo usa sua identidade.

Ambas as visões são divertidas e distintas. Não perca seu tempo pensado que se trata do mesmíssimo personagem pois são visões de autores de maturidade diferente. E nem por isso, uma inferior à outra.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…