Pular para o conteúdo principal

Lançamentos: Batman #97

Aproximando-se da centésima edição – e portanto de um recorde – na série Batman não traz grandes novidades.

Em Batman #692 de Tony S. Daniel (texto & arte) e Sandu Florea (finais), o artista que foi desenhista de grande parte do período de Grant Morrison na série, retorna como roteirista e desenhista e inicia o arco “Vida após a morte” que traz de volta os Falcone (estragando em parte a surpresa de quem ainda não leu O longo dia das bruxas e Vitória Sombria com seus resumos que contam muitas coisas) e mais uma trupe de vilões exóticos, com direito à Hugo Strange e Máscara Negraeste com um novo visual “supervilão” tornando-o semelhante à uma majestrix sado-maso. Como coadjuvante Mulher-Gato que tem ligações com os Falcone que colabora com Grayson por motivos próprios.

Streets of Gotham #06 traz a segunda parte do arco Leviatã por Chris Yost, Dustin Nguyen e Derek Fridolfs. O homem-morcego agindo com outros colaboradores e nada mais. Lembre-se que Streets of Gotham tem a linha narrativa da série “Detective Comics”, que atualmente conta as histórias de Batwoman.

Para concluir a edição temos Batman and Robin #06 com o final da Vingança do Capuz Vermelho e a apresentação do vilão Flamingo, algo que sádico – violento, raivoso e levemente efeminado. O mais interessante da história é o uso de um sistema de votação para revelar a identidade de Batman e Robin, que lembra a ânsia pela morte de Robin/Jason Todd, não por acaso o atual Capuz Vermelho. Ou seja, sutil ironia de Morrison que pode passar despercebido aos leitores.

Depois a edição perde força com diálogos entre Batman, Capuz e Gordon e ninguém realmente questionar o fato que um garoto levou diversos tiros à queima-roupa por que está servindo junto com um justiceiro. Por Grant Morrison, Philip Tan e Jonathan Glapion.

Batman and Robin não perde a força, apenas parece uma série em que os elementos estão sendo posto no tabuleiro para um jogo maior, algo que Batman Inc. (série recém lançada nos EUA) também fará. O difícil é saber se Morrison terá foco para fechar todas as tramas com excelência.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…