Pular para o conteúdo principal

Ex Machina, volume 4: Marcha à guerra

Ex Machina é uma série criada por Brian K. Vaughan (roteiro, criador de Y, o último homem) e Tony Harris (desenho, desenhista de Starman e SJA – O dossiê liberdade). Cobre o dia-a-dia do prefeito da cidade de Nova Iorque, Mitchell Hundred, durante o período 2002-2005.

Mitchell Hundred elegeu-se prefeito graças à uma coincidência bizarra. Ele foi atingido por uma explosão de um artefato ainda não explicado nesta altura da série e adquiriu o poder de falar com as máquinas – equivalente à “voz de Deus” da série Preacher.

Ele iniciou uma breve carreira como herói (Grande Máquina), mas ao salvar a segunda torre do World Trade Center decidiu que poderia fazer mais como político. Fazer realmente a diferença. Graças à popularidade foi eleito.

* * *

A série, já encerrada nos EUA, trata do dia-a-dia do prefeito, enquanto conta em flashbacks a infância e as incursões como herói. Nunca elas tornam-se o centro da história, mas um complemento. Até aqui. Neste volume o prefeito autorizou uma marcha contra a Invasão ao Iraque, daí para ele pessoalmente ser acusado de simpatizante desde movimento é pouco. Ele defende sabiamente que sou opinião pessoal pouco conta, o quê ele realmente acredita é que parte da população tem o direito de demonstrar sua indignação contra a Invasão.

Isso não impede uma ataque aos manifestantes e uma perseguição contra imigrantes, além de endurecimento da polícia.

Tudo é muito interessante, até que o leitor chega no complemento do álbum: Ex Machina Special. Numa história que se passa antes do atentado terrorista ao WTC, Grande Máquina enfrenta um “vilão” que conseguiu gravar sua voz e usar para controle de animais. Não é uma grande narrativa pois inverte os papéis, dando atenção à carreira de herói de Grande Máquina em detrimento da persona do prefeito.

Não é tão interessante quanto a primeira parte, mas não compromete a edição de R$ 19,90.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…