Pular para o conteúdo principal

Marvel Apresenta 46: Justiceiro

A Panini Comics une os cinco primeiros números de Punisher (série de 2009) e o anual da série Punisher War Journal.

Infelizmente o moto da edição não é levado à sério. Frank Castle, o Justiceiro, quer matar Norman Osborn, o Duende Verde, agora alçado a herói, depois de ter tido um papel importante na derrota dos alienígenas skrull.

Incapaz de matá-lo, Justiceiro enfrenta o Sentinela (um genérico do Superman) e Capuz, um vilão chefe do crime que tem poderes místicos cedidos por Dormammu, um demônio da cronologia do Dr. Estranho.

Desatualizado, Frank aceita a ajuda de Henry para se servir de guia e hacker residente.

Para contrabalancear Capuz ressuscitar Microchip, ex-coadjuvante da série do Justiceiro para oferecer informações que possam derrotar o vigilante.

Frustração
Com um argumento geral tão simples, não se sabe por que Norman continua e continuará vivo!

O Justiceiro simplesmente se concentra no Capuz e em fugir de armadilhas e esquece o mote da edição. Por isso, apesar de boa no geral, não compre pensando na perseguição à Osborn.

Histórico
Justiceiro é um personagem da Marvel Comics e surgiu na série The Amazing Spider-Man. Militar, ao retornar do Vietnã tem a família morta num conflito de gangsteres e decide se vingar. Foi coadjuvante em séries do Aranha e do Demolidor, até que em 1.987 a Marvel publicou uma primeira minissérie solo.

Com o sucesso o personagem ganhou uma verdadeira linha, chegando a ter três títulos mensais (Punisher, Punisher War Journal e Punisher War Zone).

Entre idas e vindas e reínicios de séries em 1.999 Frank foi entregue a Garth Ennis (Preacher, Hellblazer) que conduziu em duas séries Punisher, Marvel Knights e Punisher, Marvel Max, ambas com pouco compromisso com a cronologia Marvel, mas a série Max apesar de usar alguns elementos como Nick Fury não tinha relação nenhuma.

Ao mesmo tempo a Marvel produzia outras séries mais próximas da cronologia, fazendo o personagem ter uma série adulta e desligada e uma série com censura menor e ligada à continuidade da editora.

Justiceiro já teve três filmes para cinema, sendo dois recentes, mas nenhum teve repercussão.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…