Pular para o conteúdo principal

Fringe, 1ª temporada: Um triste arremedo de X Files

Estamos em 2010 e possivelmente já deve ter pessoas que acompanham as atuais séries de TV e nasceram após o início da série Arquivo X (The X Files), uma série de TV que narrava as aventuras de uma dupla de agentes do FBI numa divisão que investigava casos que não poderiam ser classificados em nenhuma outra. Daí o nome da série “arquivo x”, por que em inglês a letra u (de unknown, desconhecido) do arquivo já estava repleta e a secretária começou a usar a letra disponível seguinte.

Criada por J J Abrams em 2008 para a Fox, Fringe após os 20 episódios da primeira temporada (e quinze da segunda que ainda não assisti) ainda não disse a que veio e tudo parece uma triste imitação de Arquivo X. Na série original havia uma divisão de investigaria o inexplicável, agentes céticos e crédulos, superior misterioso que às vezes parece estar sendo manipulado, fontes que indicam a cidade ou edifício em que está acontecendo a ação, monstro da semana, a mão nos créditos e logicamente ao final de temporada, ano sim, ano não a divisão era encerrada.

No primeiro episódio da 2ª temporada de Fringe um dos coadjuvantes está assistindo a um episódio de Arquivo X, uma referência nada sutil à origem da série.

Arquivo X durou nove temporadas, mas seu brilho especial está entre a 2ª e 5ª, sendo que a 1ª ajuda bastante a criar as mitologias. Dificilmente você encontrará episódios ruins durante estas temporadas.

Após o primeiro filme, a série perdeu roteiristas criativos e ficou forçada, indo lentamente para a tolice de trocar os agentes principais por substitutos e “matar” um personagem central da trama.


Foi horrível ver a série “morrer no ar”, mas é só esta expressão que pode definir o quê foi a 7ª, 8ª e 9ª temporadas.

Fringe tem distribuição de personagens semelhante. Há uma agente do FBI cética, a agente Olívia Dunham, que estava enamorada de um espião duplo. Para ter acesso à possibilidades científicas não confirmadas, a ciência da borda (de onde saiu o nome da nome, sendo Fringe uma alusão à borda), ela encontra um cientista Walter Bishop, hoje enlouquecido, que é controlado por seu filho Peter, um bad boy com diplomas falsos, QI alto e disposição para o “good guy” e interesse romântico platônico da heroína.

Junto a eles um superior, agente especial Broykes, que sempre parece saber mais do que diz; uma auxiliar de laboratório para Walter, a agente Astrid Farnsworth; um companheiro de armas no FBI, Charles Francis; uma dirigente de empresa de tecnologia de ponta – a Massive Dynamic, fundada por William Bell, ex-companheiro de pesquisas de Walter, e uma adição tardia à mitologia da série – a CEO Nina Sharp, que posa em um momento com provável vilã e noutro como trunfo da divisão; uma organização de terrorismo de massa – ZFT, algo como Destruição em Massa através da Tecnologia - e vários cientistas com teorias já testadas de pesquisa genética.

Fringe carece da mesma vitamina que Prison Break e Lost, séries boas, mas sempre conspiratórias demais e nunca se tem a certeza de quem é o vilão. Diferente delas, apesar de já ter duas temporadas, ainda não gerou empatia com o público, que não se importar com os mistérios da série ou com os destinos dos personagens.

Para os que têm a minha idade (35) soma-se a isto o péssimo hábito de lembrar demais uma série de referência na cultura nerd.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…