Pular para o conteúdo principal

Batman: Preto & Branco

Mini-série em quatro partes, cada uma com cinco histórias, mostrando pontos de vista único sobre o homem-morcego, algumas feitas especialmente para o tema proposta: histórias em preto e branco com ou sobre o Batman. Além das histórias, cada edição trás três arte originais (a capa, a segunda capa e a terceira capa), são eles: Jim Lee, Mike Allred, Moebius, Frank Miller, Mike Kaluta, Tony Salmons, Barry Windsor-Smith, P. Graig Russell, Marc Silvestri, Alex Toth, Alex Ross e Neal Adams.

Teve uma continuação, mas levemente diferente. Na série mensal “Batman, Gotham Knights” houve espaço para histórias curtas com a mesma temática, que posteriormente tiveram suas melhores tramas (e não todas) reunidas em uma edição encadernada nos EUA, e traduzida pela Panini Comics na série DC Especial em 2004.

Luto perpétuo
Batman: Black and White # 01 (1996)/Batman: Preto & Branco # 01, Editora Abril (agosto/1998) – Batman faz a autópsia de uma desconhecida para determinar o assassino e a origem da moça.
A & Arte – Ted McKeever

Dúbio amor
Batman: Black and White # 01 (1996)/Batman: Preto & Branco # 01, Editora Abril (agosto/1998) – Harvey Dent faz operação de plástica nas mãos de Drª Marilyn Crane, a quem se apaixona. Mas morbidamente a dualidade retorna com a irmã gêmea fatal da médica.
A & Arte Bruce Timm

A caçada
Batman: Black and White # 01 (1996)/Batman: Preto & Branco # 01, Editora Abril (agosto/1998) – Batman, mostrado como uma criatura da noite, persegue e apreende criminosos, em uma ambiente onírico.
A & Arte – Joe Kurbert

Crimes triviais
Batman: Black and White # 01 (1996)/Batman: Preto & Branco # 01, Editora Abril (agosto/1998) – Em um verão especialmente quente, um cidadão comum torna-se intransigente com todas as pessoas que quebram as normas, matando-as. Parece-me que dias quentes sempre geram violência nos EUA, vide o filme Faça a coisa certa de Spike Lee.
A & Arte – Howard Chaykin

O trompete do diabo
Batman: Black and White # 01 (1996)/Batman: Preto & Branco # 01, Editora Abril (agosto/1998) – Trompetista famoso deseja o trompete de Coley Treadwell, que supostamente o teria recebido do diabo depis de um pacto, para tornar-se “especial”, e não se intimida em matar para atingir seu intento.
A – Archie Goodwin Arte – José Muñoz

Lenda
Batman: Black and White # 02 (1996)/Batman: Preto & Branco # 02, Editora Abril (setembro/1998) – Num futuro distante, uma mãe narra para seu filho, o surgimento de um novo justiceiro que usa o símbolo do morcego.
A & Arte – Walt Simonson

Monstro
Batman: Black and White # 02 (1996)/Batman: Preto & Branco # 02, Editora Abril (setembro/1998) – Batman e o problema das gangues que recrutam jovens imberbes para o crime.
A – Jan Strnad Arte – Richard Cober

Olhos de meninos mortos
Batman: Black and White # 02 (1996)/Batman: Preto & Branco # 02, Editora Abril (setembro/1998) – Batman é atingido fatalmente mas a ressuscita por um elo com a cidade, que tem vida própria.
A & Arte – Ken Williams

A mão do criminoso
Batman: Black and White # 02 (1996)/Batman: Preto & Branco # 02, Editora Abril (setembro/1998) – Crimes com execução no estilo da máfia apontam para criminoso reconhecidamente morto, graças à presença de sua digital, mas Batman está investigando o caso.
A – Chuck Dixon Arte – Jorge Zaffino

Um mundo preto e branco
Batman: Black and White # 02 (1996)/Batman: Preto & Branco # 02, Editora Abril (setembro/1998) – O mais original de todos os contos desta série, onde Batman e Coringa são atores repassando o texto na antessala, enquanto esperam o cenário de seu confronto estar pronto.
A – Neil Gaiman Arte – Simon Bisley

Boa noite, Meia-Noite
Batman: Black and White # 03 (1996)/Batman: Preto & Branco # 03, Editora Abril (outubro/1998) – No aniversário de Wayne, enquanto Batman salva crianças em um ônibus, Alfred relê uma carta emociada escrita por Thomas para seu filho.
A & Arte – Klaus Janson

Sonhos
Batman: Black and White # 03 (1996)/Batman: Preto & Branco # 03, Editora Abril (outubro/1998) – Moça em tratamento psiquiátrico tem recorrentes pesadelos com Batman e sua boneca, mas seu médico tem ligações diretas com o homem-morcego e está decidido a ajudar a moça.
A – Andrew Helfer Arte – Liberatore

O assalto
Batman: Black and White # 03 (1996)/Batman: Preto & Branco # 03, Editora Abril (outubro/1998) – Numa história bastante adequada ao tema da série, usando adequadamente branco e preto e seus tons, Batman enfrenta uma gangue de ladrões que invadem uma mansão cujos proprietários estão em férias.
A & Arte – Matt Wagner

Pais e filhos
Batman: Black and White # 03 (1996)/Batman: Preto & Branco # 03, Editora Abril (outubro/1998) – Batman e o complexo relacionamento entre um pai solteiro e seu filho.
A & Arte – Bill Sienkiewicz

Canção mortal
Batman: Black and White # 03 (1996)/Batman: Preto & Branco # 03, Editora Abril (outubro/1998) – Batman faz tocaia a Phillip Benning, cujo testemunho levou um criminoso à pena máxima, e agora é alvo de uma vingança.
A – Dennis O’Neil Arte – Teddy Kristiansen

Um sujeito inocente
Batman: Black and White # 04 (1996)/Batman: Preto & Branco # 04, Editora Abril (novembro/1998) – Sujeito comum narra para câmera seu futuro crime, que ao seu ver resultará na morte de Batman. Original, mas realmente ganha força no traço de Bolland.
A & Arte – Brian Bolland

Monstros no armário
Batman: Black and White # 04 (1996)/Batman: Preto & Branco # 04, Editora Abril (novembro/1998) – Cientista faz experimentos genéticos e atrai a atenção do homem-morcego.
A – Jan Strnad Arte – Kevin Nowlan

Heróis
Batman: Black and White # 04 (1996)/Batman: Preto & Branco # 04, Editora Abril (novembro/1998) – A belíssima arte de Gianni ilustra um conto onde projetista é ameaçado por industriais alemães pra projetar avião para eles. Ao receber a recusa, seqüestra o filho do projetista, que por sua vez é um protegido do Batman.
A – Archie Goodwin Arte – Gary Gianni

Abandono
Batman: Black and White # 04 (1996)/Batman: Preto & Branco # 04, Editora Abril (novembro/1998) – Numa história de impacto social, Batman ou um “João ninguém” é ferido, e não tendo auxílio das pessoas, demora a chegar ao hospital e morre pouco depois da entrada. A história, é narrada pelo ponto de vista do filho/Batman, que vê seu pai também como homem-morcego.
A – Dennis O’Neil Arte – Brian Stelfreeze

A terceira máscara
Batman: Black and White # 04 (1996)/Batman: Preto & Branco # 04, Editora Abril (novembro/1998) – Batman enfrenta super-ser que que a máscara não é o verdadeiro eu do homem-morcego, e influenciado por isso surge algo novo.
A & Arte – Katsuhiro Otomo

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…