Pular para o conteúdo principal

A DC-Panini neste início de ano

Vamos ver como estão as séries da DC/Panini?

Superman traz:
Action Comics
Superman
Supergirl
A quarta história pode ser um especial ligado à Novo Krypton ou mais uma história. O mix está estável.

Batman traz:
Batman
Detectice Comics
Nightwing
Cat Woman
Haverá muitos especiais ligados ao evento A batalha pelo manto, que resultará no cancelamento de Asa Noturna e Mulher Gato.
Surgem Batman & Robin de Grant Morrison e Sereias de Gotham com as personagens femininas, mas esta última série é bem secundária.
Apesar de passar por grandes mudanças tudo continua na mesma e já foi anunciado o retorno de Bruce Wayne.

Liga da Justiça traz:
Justice League of America
Justice Society of America
Flash
Wonder Woman
Está estável, apesar de Flash ser cancelado para dar lugar à Flash Reborn e depois uma nova série mensal.
A Sociedade tem uma segunda série (JSA All-Stars) e dois personagens ligados à equipe tem série própria nos EUA (Poderosa e Magog).
A Liga continua com sua série Classified, que eventualmente é publicada.
Assim existem quatro títulos que podem ou não ser publicados.

Novos Titãs traz:
Teen Titans
Titans
Robin
Batman and The Outsiders
Está estável. Depois de A batalha pelo manto, a série Robin é cancelada e dá lugar à “Red Robin”; ou seja, seis por meia dúzia.

Dimensão DC: Lanterna Verde traz:
Green Lantern
Green Lantern Corps
Gold Booster
The Last Days of Animal Man.
Está estável. Os últimos dias do Homem Animal é uma série limitada e seu fim deve coincidir com o início de “A noite mais densa”, o quê deixará a série com lugar para publicar a série principal ou algumas das auxiliares. Superman, Batman, Mulher Maravilha e SJA tem minisséries ligadas ao evento de três partes cada e há também várias edições especiais.

Superman/Batman traz:
Superman/Batman
Final Crisis: The Legion of the three worlds
Legion acaba em fevereiro e talvez a Panini publique Adventure Comics com as aventuras de Superboy e da Legião no título, mas no geral Superman/Batman é o título mais afastado.
A série principal não faz parte da continuidade do universo DC e sim de uma continuidade própria que eventualmente é referenciada ou não. De tempos em tempos alguém lembra que a série é do Universo DC e faz refletir algum evento, como “A noite mais densa” que terá alguma relevância na série.
Apesar de isso pode irritar aos xiitas, mas estas séries ora desligadas da cronologia, ora ligadas são bem comuns. Alguns arcos de “The Legends of the dark knight” (no Brasil, Um conto de Batman) em especial Veneno e Gothic não parecem passar na continuidade do restante do Universo DC (sobre o assunto leia o editorial de Mike Gold aqui).
A Panini tem publicado histórias curtas de Solo e chegou até mesmo a publicar uma “Legends of the dark knight” (série já encerrada no Batman) que poderia facilmente ter adiantado uma ou outra história de outros personagens.
É a série que menos me identifico e mais instável da editora, já que os quatro títulos que pode abrigar só um é contínuo.
Trabalhando com Dimensão DC, poderia as duas séries publicar todo o material de “A noite mais densa” sem a necessidade de séries extras, ainda que atrasasse um pouco a cronologia para encaixar todas as histórias.

Trindade traz:
Trinity
Está no número 6 de 13. Como o pacote de assinatura DC a mantêm como série fixa deve ser substituída por uma nova série mensal após o segundo semestre.

No geral a Panini mantém uma linha estável. Se a publicidade do filme Lanterna Verde for interessante pode criar uma minissérie A noite mais densa.

Se esta eventual série publicar apenas o material da série equivalente americana, não fará grande diferença e não haverá lucro ou perda para a cronologia, ficando razoavelmente alinhada. De qualquer modo, séries e edições especiais não faltam para encherem novas séries nacionais que tem espaço suficiente para suportá-las.

Talvez A noite mais densa possa ser uma série nova do segundo semestre para substituir Trindade. Talvez.

Das séries inéditas no Brasil, somente Jonah Hex me chama a atenção, mas já com cinqüenta números publicados e tão distante do material que a editora traduz, deve continuar sendo ignorado. De qualquer modo dois ou três “DC Especial” com arcos fechados poderiam ser bem vindos. Ainda bem que tem um filme próximo para dar publicidade ao personagem.

Como está ligado ao evento “A noite mais densa” a série de Solomon Grundy deve ser uma boa aposta para Superman/Batman até a chegada de A noite mais densa, já que Scott Kollins, responsável por roteiro e arte da série de Solomon produziu a edição de S/B com cross-over com A noite. Veremos.

Para terminar temos um arco da SJA ainda sem ser publicado. Como o vilão principal vai retornar em JSA All-Stars não custa nada fazer um encadernado com a série. Este eu classifico na coluna dos impossíveis de acontecer.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…