Pular para o conteúdo principal

A origem secreta da Supergirl

Publicado em Supergirl #35 (janeiro/2009) de Sterling Gates, Jamal Igle e Keith Champagne e traduzido em Superman # 85 (dez/09) da Panini Comics, finalmente se põe um ponto final sobre a “nova” Supergirl.

Explico: Supergirl surgiu no segundo arco da série Superman-Batman, chamado “Supergirl de Krypton” escrito por Jeph Loeb.

Loeb criou uma Supergirl mais atualizada aos dias de hoje. Era prima de Kal-El, mas uma inveja entre os irmãos, fez com que seu pai, Zor-El a enviasse para rastrear o pequeno Kal filho de Jor-El, apenas para matá-lo quando tivesse oportunidade.

Chegando à Terra anos depois de Kal, Kara Zor-El foi encontrada por seu primo, recebeu treinamento na Ilha das Amazonas e serviu Darkseid durante alguns poucos dias, até que iludiram o novo deus do mal e conseguiram resgatar a moça.

Já em sua própria série Supergirl volume 5, Kara sofreu extensões desta nova origem e durante Crise Infinita e os prelúdios de Crise Final, em um arco onde ela enfrenta Anjo Negro, descobre-se que seu sangue cristaliza criando garras de cristal.

Após ser dividida em duas pessoas completas e metade dela enviada ao futuro com a Legião dos Super-Heróis da Terra-Primordial (arco já publicado no Brasil pela Panini), e outra metade em Kandor com Poderosa da Terra-2 e Ultraman da Anti-Terra (aqui em sua própria série mensal) – ambos os arcos ligados ao evento Um ano depois – a série da personagem foi se aproximando do Superman e após finalizada uma meia dúzia de tramas abertas ela é personagem fundamental em Novo Krypton.

Simplificando: Supergirl e sua família sobreviveram à destruição de Krypton em uma cidade com escudo protetor chamada de Argo City. Anos depois Brainiac surge e captura a cidade, mas Zor-El (que não odeia o irmão) garante que sua filha fuga em um foguete semelhante ao que seu irmão construiu para seu sobrinho. Ser capturada por Brainiac impede que Argo City venha a ser completamente destruída como na história original.

Todas as versões apresentadas na série mensal até aqui eram fruto de envenenamento por kryptonita, que Zor-El percebeu e limpou do corpo da filha – assim como a péssima idéia de garras de cristal.

Assim, a edição, reestrutura a história da donzela de aço, aproximando daquilo que nos já conhecíamos.

No mais, um pouco da ira de Lana Lang com o sucesso do artigo de Cat Grant, a tentativa dos pais de Kara de levá-la para Novo Krypton e abandonar a novíssima identidade humana e o surgimento da nova Superwoman (que aparece sem ser nomeada, mas certamente a Panini a nomeará de Super-Mulher).

Na verdade é uma edição para esclarecer a grande confusão que era a personagem até o momento e deixá-la em sintonia com o novo status das séries de aço.

Veja aqui a listagem de todas as histórias de Novo Krypton.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…