Pular para o conteúdo principal

Dimensão zumbi!

Marvel Max #76 chega às bancas e não traz nenhuma novidade interessante.

A maior colaboração é publicar as capas da atual série Marvel Zumbis que homenageiam filmes de terror. No entanto, Marvel Zumbis 3 termina exatamente aí! Não tem uma gota de originalidade ou consistência. A edição #2 de Fred Van Lente (texto) e Kev Walker (arte), mostra a chegada de Homem-Máquina e Jocasta na dimensão zumbi e a descoberta que após a ida dos heróis peso-pesados para as estrelas, o Rei do Crime-zumbi dominou a sociedade e usa o Chacal para criar humanos com engenharia genética.

Chato, muito chato...

Seguimos para Foolkiller: Anjos brancos de Foolkiller: White angels #1 (set/2008) de Gregg Hurwitz (roteiro) e Paul Azaceta (arte), que abre com algumas semelhanças com a outra série: uma pessoa comete uma falha, paga sua pena, ao retornar à sociedade é perseguida e assassinado e o Matador de Idiotas decide vingá-las. A arte, que lembra John Paul Leon (Terra X) é competente, mas o roteiro é apenas um clichê e... chato, muito chato...

Em tempo: os tais Anjos brancos são membros de uma organização neo-nazista e racista típica.

Terror Ltda de David Lapham (roteiro) e Patrick Zircher (arte) traz Terror Inc. #04 (jan/2008). Terror consegue algum controle do braço protegido e dificulta os planos da organização mística que armou para ele, mas gasta a edição toda para se libertar com a ajuda de sua assistente. Por sinal a narrativa está bem ruim, verifique a ligação das sequências que acontecem nas páginas 55 a 65. Não fica claro como a assistente de Terror sai de um ambiente para outro. Se o objetivo era fazer cortes rápidos para o sub-plot de fanáticos suicidas não conseguiu. Triste, muito triste...

Punisher #54 (março/08) de Garth Ennis (texto) e Goran Parlov (arte) com o final de “A longa e fria escuridão” é a única surpresa boa da revista. Violência pura e previsível com uma boa e justa vingança, fazendo Castle sepultar por completo as chances de Barracuda retornar. Mas é claro, que tem um final previsível – mas não chinfrim.

Boa história que funciona muito bem em um encadernado, de modo a sentir todo o impacto de uma vez só.

De qualquer modo, economize seu rico dinheirinho.

Postagens mais visitadas deste blog

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas porque há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas porque ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.
Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.
Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.
A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.
Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.
Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.
Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.
Após enterrar uma bomba de hidrogênio…

EaD: Como estudar sozinho em casa

Árvore genealógica do Superman

Em Krypton Chronicles, uma série que contava a história dos ancestrais de Kal-El a DC publicou a árvore genealógica abaixo.

Divirta-se!