Pular para o conteúdo principal

Além do Apocalypse

Geoff Johns (texto) e Pete Woods (arte) continuam a narrativa onde o episódio anterior parou, mas assim como Robinson, Johns ajuda a construir todo o background antes de passar para o óbvio em Action Comics #871 (jan/09), publicada em Superman #84 (nov/09).

Primeiro Johns coloca lenha na fogueira mostrando que os kryptonianos não têm os mesmos sentimentos assistencialistas do Superman e que não se importam com a Terra, preferindo seguir ordens de um comandante militar como General Zod!

Sim! O Comandante Gor e o Tenente Mur não prestam assistência a humanos feridos e ainda tentam libertar o general da Zona Fantasma, sendo impedidos por novos Asa Noturna e Pássaro Flamejante.

Antes de qualquer coisa, é bom deixar claro que esta nova dupla é formada por cidadãos de Novo Krypton cujas identidades não são conhecidas neste momento. Originalmente Asa Noturna e Pássaro Flamejante eram identidades que Jimmy Olsen e Superman utilizavam nas aventuras na Cidade Engarrafada de Kandor original.

A cada atualização do Superman ou da cidade surgiram outras versões da dupla.

O primeiro Robin (Richard “Dick” Grayson) ao se tornar adolescente (na série “The New Teen Titans”, os Novos Titãs) decidiu abandonar o uniforme de menino-prodígio e adotar o nome de Asa Noturna que utilizou entre 1.982-2.008 nas séries derivadas dos Novos Titãs e em sua própria série até o fim.

Outra trama é sobre a relação conflitante entre o General Lane e Luthor. Lane recruta o cientista para pesquisar o corpo de Brainiac e conseguir uma arma para destruir os kryptonianos. São alguns dos melhores diálogos escritos para Luthor e que deixam bem claro por que a justiça o perdoou tantas vezes: ter alguém que possa fazer frente ao homem de aço!

É o General o responsável por enviar Apocalypse para o ataque às comitivas do presidente estadunidense e kryptoniana!

Depois do choque inicial o monstro é levado para a Lua (enquanto em off uma singela narrativa confirma a origem tradicional de Apocalypse) e os kryptonianos – com exceção do Superman e Supergirl – matam a fera!

Lembre-se que o monstro irá ressurgir com uma evolução genética que o permitirá fazer frente a todo este poderio!

Veja aqui a listagem de histórias de Novo Krypton.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…