Pular para o conteúdo principal

A morte do Superman em 3 atos: Ato dois – O funeral e o retorno

Com a morte de ambos, a criatura (que poderia ter qualquer origem) é levada ao Cadmus e depois amarrada em um asteróide. Neste momento, já havia ressuscitado!

Com os anos descobriu-se que Apocalypse era fruto de um experimento genético kryptoniano.

Superman, morto, teve funeral de herói mundial.

Após o funeral, o Cadmus, um laboratório de pesquisas genéticas, quis se apoderar de seu corpo, sem sucesso, graças à interferência de Lex Luthor II.

Jonathan Kent
ainda teve um ataque cardíaco e encontrou seu filho no além, e as séries do personagem foram interrompidas por dois meses! O clima era de que o personagem estava morto e não voltaria. Claro que tudo era uma jogada de marketing, evidentemente.

Surgiram então quatro seres autoproclamados Supermen: em Man of Steel, um negro com armadura, em The Adventures of Superman um jovem com cerca de 15 anos, em Action Comics um frio e distante ser que tinha devoção pelo jeito kryptoniano de ser, e, por fim, em Superman, um dos ciborgues do herói, voltava dizendo ter a alma do homem de aço, imediatamente apelidado de “Superciborgue”. A Editora Abril então publicou a minissérie “O retorno do Superman” em três volumes de 160 páginas.

Depois da apresentação dos quatro personagens, a última trama mostra que o Superciborgue na verdade era um cientista que tentou um experimento a Quarteto Fantástico e colheu resultados negativos. Sua consciência se tornou uma espécie de vírus capaz de invadir materiais eletrônicos. Enlouquecido por ter perdido a esposa e dois amigos após um acidente, Hank Heinshaw foi para o espaço e retornou para iludir a humanidade, enquanto trazia Mongul que iria transformar a Terra num novo Mundo Bélico.

Durante este processo, o Superciborgue destruiu Coast City, a cidade natal de Hal Jordan, o Lanterna Verde, junto com 7 milhões de pessoas! Era mais uma era de transformações na DC Comics: Superman morto, Batman aleijado e agora o Lanterna Verde ficaria louco e tentaria reconstruir a cidade!


Então, em arcos sucessivos, Superman ressuscita – algo com seu DNA, e o fato de ser necessário ao mundo – e se une a Aço (o negro com armadura), Superboy (o adolescente), ao kryptoniano, à Supermoça e ao Lanterna Verde e ataca a base do Mundo Bélico, derrotando Mongul e o Superciborgue.

Em uma minissérie à parte, meses depois, acontece uma revanche com Apocalypse, onde finalmente se revela a origem do monstro e o derrota. Posteriormente, em outra série, divide o monstro em três tubos de transporte, deixando-o dividido na base da Liga da Justiça, na lua.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…