Pular para o conteúdo principal

Falcão Negro, por favor não confunda com Gavião Negro!

Falcão Negro (Blackhawk, no original, também chamado de “O Falcão” na EBAL) é o polonês Janos Prohaska que cria uma esquadrilha de aviadores formada por cidadões de nações que a Alemanha nazista ocupou.

O título não é original da DC Comics, mas sim da Quality Comics, e o personagem surgiu em 1941 na revista Military Comics, criado por Chuck Cuidera e Will Eisner.

Em janeiro de 1957 a DC Comics assume a série dando continuidade à numeração a partir do número # 108.

Em Blackhawk # 164 de setembro de 1961 a DC Comics reconta a origem da esquadrilha pela primeira vez desde que a DC Comics adquiriu a série.
A próxima mudança seria estética já que em Blackhawk # 197 de junho de 1964, eles trocam o uniforme azul e preto – mais comum aos leitores modernos da DC Comics – por vermelho e negro.

Em seguida em Blackhawk # 230 de março de 1967 eles tornam-se super-heróis (a moda da época) com os seguintes nomes Big Eye, the Leaper, Dr. Hands, the Golden Centurion, the Listener, the Weapons Master e M’sieu Machine – claro que isso não impediria o cancelamente da série no # 250.

Em outubro de 1982, Blackhawk voltou às bancas com o # 251 por Mark Evanier (Groo) e Dan Spiegle, tendo vida curta.

O personagem só voltaria a ter importância quando Howard Chaykin faz a minissérie Blackhawk (março – maio/1988), e retornaria primeiro em Action Comics Weekly em aventuras de seis páginas e depois em uma nova série própria chamada Blackhawk, que iniciou em março de 1989 por Martin Pasko e Rick Burchett, e teve curta duração.

Em fins de 2003, Warren Ellis (Transmetropolitan, The Planetary) anunciou que teve aval para produzir uma nova série utilizando apenas o personagem principal e que já teria plots para no mínimo 3 anos de aventuras mas a série não saiu no papel.

A grande presença da esquadria nesta década certamente é o episódio triplo da série animada da Liga da Justiça “In Savage Times”, onde a equipe retorna no tempo para impedir a ascensão de Vandal Savage como fuhrer da Alemanha nazista. Emocionante!

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…