Pular para o conteúdo principal

Boas histórias em O Manicômio do Coringa

A DC Comics há anos tem pequenos eventos em uma série de especiais, que não recebem muito holofote. Girlfrenzy é um destes, e O manicômio do Coringa é outro.

Certamente criado pelo sucesso do filme “Batman, o cavaleiro das trevas” esta série de especiais tem o príncipe palhaço do crime como mestre de cerimônias para narrar cinco histórias sobre ele e seus comparsas. Em “O Coringa pega leve!” de Arvid Nelson & Alex Sanchez, temos a incursão do criminoso em um programa de auditório; em “Quem ri por último” de Jason Aaron & Jason Pearson o Pingüim encontra um verdadeiro amor, mas não consegue largar velhos hábitos; em “Desflorada”, de JT Krul & Guillem March, Hera Venenosa dá vazão à sua vocação ecoterrorista extrema; em “O cavaleiro das trevas do Espantalho” de Joe Harris & Juan Doe, uma noite de brincadeira de colegiais deixa espaço para o Espantalho agir e finalmente em “Duas-Caras também!” de David Hine & Andy Clarke, Duas-Caras encontra alguém marcado como ele. Peço atenção à arte pouco convencional de Juan Doe e à eficiência de Andy Clarke.

As histórias são leves contos de moral, temperados com o sadismo próprio do príncipe palhaço do crime, lembrando a estrutura de “Tales from the crypt” e servem como um bom passatempo sem comprometer em nada as lendas da galeria sinistra do Batman, ainda que a história de Hera Venenosa seja por demais previsível.

Se você tiver R$ 9,90 sobrando, aproveite, por que a Chinaglia está fazendo a redistribuição desta edição distribuída originalmente em março de 2009.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

O único animal, Luís Fernando Veríssimo

O homem é o único animal...
...que ri
...que chora
...que chora de rir
...que passa por outro e finge que não vê
...que fala mais do que papagaio
...que está sempre no cio
...que passa trote
...que passa calote
...que mata a distância
...que manda matar
...que esfola os outros e vende o pêlo
...que alimenta as crias, mas depois cobra com chantagem sentimental
...que faz o que gosta escondido e o que não gosta em público
...que leva meses aprendendo a andar
...que toma aula de canto
...que desafina
...que paga pra voar
...que pensa que é anfíbio e morre afogado
...que pensa que é bípede e tem problema de coluna
...que não tem rabo colorido, mas manda fazer
...que só muda de cor com produtos químicos ou de vergonha
...que tem que comprar antenas
...que bebe, fuma, usa óculos, fica careca, põe o dedo no nariz e gosta de ópera
...que faz boneco inflável de fêmea
...que não suporta o próprio cheiro
...que se veste
...que veste os outros
...que despe os outros
...que só lambe os outros
...que tem cotas de emigração
...qu…