Pular para o conteúdo principal

Sarcófago: Heróis Renascem (1996)

Eis que na Marvel Comics em 1.996 surge o filho mais torto de Crise nas Infinitas Terras. Sei que muita gente vai cair matando em cima disto que escrevi, principalmente por que Crise não é a primeira reformulação dos personagens da DC; mas sinceramente é a partir de Crise que passou a ficar evidente que alguns personagens necessitam de reestruturação para adaptarem-se aos novos tempos.

Na maior parte dos casos as editoras chamam novos artistas, terminam e começam novamente com a série mudando pouco ou em nada o nome, introduzem novos personagens, novos poderes, novos vilões... 

Mas neste projeto da Marvel foi diferente em termos que grandiosidade e terceirização.

Hoje é relativamente comum que a Marvel terceirize séries com Alex Ross e a Dynamite, mas na época foi um reconhecimento que os artistas internos não tinham a “pegada” para produzir as histórias necessárias.

Bem, dúvidas à parte, Jim Lee tinha feito The Uncanny X-Men, Rob Liefeld tinha feito X-Force e meses depois saíram da editora, juntos com algumas pessoas legais e outras nem tanto, e fundaram a Image – onde, em teoria, os direitos autorais pertenceriam aos escritores da história, o que de fato não aconteceu. Ambos foram convidados a voltar à Marvel e assumirem quatro títulos mensais onde iriam contar novamente as histórias de seus personagens título.

Quarteto Fantástico e Homem de Ferro ficariam aos cuidados do estúdio de Jim Lee e Os Vingadores e Capitão América ficariam aos cuidados do estúdio de Rob Liefeld.

Mal o projeto chegara ao meio e Liefeld já falava em “Mutantes Renascem”, quando ele foi afastado e Jim Lee ficou com todos os títulos. Em seguinte, em função de não pagar seus criadores e dificuldades financeiras diversas, Liefeld foi expulso da Image.
Quanto ao projeto Heróis Renascem, no fim tivemos que aceitar que tudo não passava simplesmente de um universo criado pelo Franklin Richards. Mas, devo advertir que em diversos momentos das séries havia pistas para este tipo de conclusão. O mais interessante é que com a reformulação destes personagens a Marvel desencadeou um processo de revitalização – até por que as vendas estavam baixas – que afetou todo o seu Universo.


A história passa nos dias seguintes ao Massacre, enquanto no universo Marvel padrão os personagens são dados como mortos após a batalha contra o monstro mutante.
Assim Captain America volume 2, Iron Man volume 2, The Avengers volume 2 e Fantastic Four volume 2 são séries com 13 edições, sendo 12 do projeto Heróis Renascem e uma 13ª edição dedicada a um amálgama entre o Universo Marvel e o Universo Wildstorm (que ainda não havia sido comprado pela DC).

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…