Pular para o conteúdo principal

Os mortos-vivos vol 4: Desejos carnais

Mais um hiato de dezoito meses iria separar os volumes 3 (Segurança atrás das grades) e o volume 4. O foco da edição é que sem a preocupação imediata de ter que enfrentar os zumbis, pois estão em relativa segurança em uma prisão federal, o grupo de sobreviventes liderado por Rick Grimmes agora tem que lidar com a convivência em conjunto e os efeitos de viverem prisioneiros não de um presídio, mas de uma situação: o mundo foi tomado pelo apocalipse zumbi e não há governo, comunicações, alimentos e centros populacionais, cabendo aos fortes sobreviverem e nem sempre as decisões que irão tomar são fáceis.


[A trama]
Dexter, auxiliado por Andrew (seu amante) e Patricia (ex-namorada de Otis) põe Rick Grimmes sob a mira de armas e a situação só é revertida pelo fato de que inadvertidamente os revoltosos deixaram um bloco da prisão com acesso livre e há um ataque.

Rick decide eliminar Dexter em um “fogo amigo”.

A chegada de Michonne, uma negra armada com espada, põe em cheque a relação de Tyreese e Carol. Ela, emocionalmente instável tenta o suicídio. Allen é ferido e Rick tenta amputar sua perna a machadadas, falhando em salvar sua vida.

Estressado, assim como Tyreese, que perdeu a filha, Rick o acusa de matar Chris e das responsabilidades pelo que está acontecendo com Carol. Eles brigam e o ex-policial tem um colapso.

O grupo decide que a liderança será feita por um comitê.

De pano de fundo o cultivo de uma horta, o uso das habilidades pessoais para trabalhos no cultivo e na confecção de roupas e o modo como o sexo une e separa o grupo. Rick e Tyreese não tinham um conflito pessoal direto, pois não lutavam pela liderança e nem pelas mulheres, mas a introdução de um elemento extra – mesmo que não questione a luta do poder estabelecido – altera a parceria, talvez de maneira definitiva.

[Crítica]
Mais um acerto de Robert Kirkman (texto), Charlie Adlard (arte) e Cliff Ratburn (tons de cinza), Desejos carnais mostra que um agrupamento de pessoas com valores tão distintos, numa situação tão limite pode enlouquecer as pessoas e levá-las ao autoritarismo.

Este volume pode ser comparado ao filme Dawn of the dead onde os personagens são aprisionados em um shopping e dentro em pouco deixam extravasar suas neuroses.

Certamente é um ponto alto da série e continua a provar que é apenas um quadrinho de drama num cenário apocalíptico e não um quadrinho de terror.




[Volumes de Os mortos-vivos]

Vol.
Lançamento
Edições #
Título
01
05/2006
#1-6
02
11/2006
#7-12
03
04/2008
#13-18
04
10/2009
#19-24
Desejos carnais
05
07/2011
#25-30
A melhor defesa
06
10/2011
#31-36
Vida de agonia
07
12/2011
#37-42
Momentos de calmaria
08
03/2012
#43-48
Nascido para sofrer


Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…