Pular para o conteúdo principal

Justice League Doom (2012)

Levemente baseado no arco JLA – Torre de Babel, escrito por Mark Waid e com arte de Howard Porter, Justice League Doom, o primeiro filme da DC Comics/Warner em 2.012 tem produção de Bruce Timm e da mesma equipe dos filmes anteriores, além de roteiro adaptado do falecido Dwayne McDuffie.

Após um encontro da Liga da Justiça com a Gangue Royal Flush, o Mestre dos Espelhos invade o computador da batcaverna e tem acesso aos protocolos do homem morcego para derrotar os membros da própria equipe. Não pense que o plano é do tolo Mestre, pois tem está por trás é Vandal Savage, um homem das cavernas de evoluído física e mentalmente. Savage deseja consolidar seu poder e controlar novamente o destino da humanidade e para isso irá destruir 2/3 da população mundial. Disposto a concretizar isto, paga a uma série de criminosos para utilizarem os protocolos e eliminar a Liga.

McDuffie preferiu fundir o arco Torre de Babel com arcos antigos que envolviam a Sociedade Secreta dos Super-Vilões, aqui chamada de Legião do Mal como em uma das temporadas do desenho Super-Friends. O autor também alterou a formação do grupo, dando espaço para personagens para Bane e Safira Estrela, que tem relevância em função de filmes em live action recentes. Afastou um vilão importante da homem morcego – a cabeça do demônio – e o substituiu por Savage, que funcionou perfeitamente, aqui despido de qualquer referência à 2ª Guerra, tão comum na série Justice League/Justice League Unlimited do Cartoon Network.

Em síntese, nos quadrinhos em algum momento da antiga cronologia os vilões da SSS-V descobriram as identidades dos membros da Liga e atacaram a equipe o quê levou anos depois aos eventos de Crise de Identidade e Crise de Consciência.

A animação é feita para capturar os fãs atuais da série em quadrinhos da Liga. Tem Cyborg (dos Novos Titãs) como consultor científico e Hal Jordan como Lanterna Verde, exatamente como a série atual The New 52: Justice League. O final também é mais simpático com a visão de controle do Batman e durante anos foi criticada na equipe.

Uma boa diversão.































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…