Pular para o conteúdo principal

Fringe 3ª temporada, Parte 3 e final

A série Fringe concluiu sua temporada de forma a finalizar algumas pontas e deixar muitas abertas.

No episódio 3x19 Lysergic Acid Diethylamide, temos a solução definitiva para a história da consciência de William Bell, quando Peter, Walter e William navegam pela consciência de Olivia Dunham sob o efeito de LSD. O episódio é especialmente divertido em função do fato de que durante o tempo em que passam na consciência da agente eles são vistos como uma animação.

Surge um “homem que irá matar” a agente em algum momento e a consciência de Bell perde-se.

É a morte!

Resolvido isto, voltamos à trama da máquina misteriosa que por sua vez se aciona sozinha.

Após um episódio cheio de acidentes meteorológicos, Peter decide entrar na máquina. Falha.

Fica em coma algumas horas. Retorna à consciência enquanto Dunham tenta conseguir uma explicação com Sam Weiss – o dono da pista de boliche, autor do livro “As primeiras pessoas”. Cai por terra o mistério de Weiss. Ele não é imortal. Vem de uma longa família de pessoas com o mesmo nome e que estariam escrevendo e reescrevendo o livro. Cada versão pode ter uma página a mais ou não, variando com a maneira como a informação foi passada entre descendentes. O mais completo livro é o mais antigo.

Weiss afirma que Dunham pode afetar a máquina no outro universo.

Peter orientado por Walter e com o auxílio de Olivia retorna à máquina e a aciona.

Imediatamente acorda em 2026 quando é agente da Divisão Fringe, Olivia é a diretora, Astrid é agente de campo, a sobrinha de Olivia também é agente de campo, Phillip Broyles é senador e Walter está preso novamente!

Houve um desastre em 2011! Walter foi responsabilizado!

O universo alternativo foi destruído! Walternative atravessou dimensões e tentou corrigir, sem sucesso. Agora está disposto a vingar-se!

Walter Bishop, reprisando o episódio de abertura da série, é novamente liberado da cadeia para investigar uma possibilidade de localizar o terrorista Moureau, responsável por buracos de minhoca que estão desfazendo a realidade. O terrorista está agindo sob orientação de Walternative.

Walternative mata Olivia no futuro. Walter consegue convencer Peter a voltar no tempo antes que o acionamento da máquina ponha as realidades em choque.

Peter volta e ocupa seu corpo no passado. Usa seus poderes para reunir os dois Walters, as duas Olivia e os convence a trabalharem juntos para encontrarem uma solução para o impasse!

Imediatamente desaparece!

As pessoas não estranham!

Do lado de fora os Observadores dizem que eles não se lembram de Peter por que ele deixou de existir!

Fim de temporada!


















































Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…