Pular para o conteúdo principal

DC faz reboot... novamente!, Parte 2: Múltiplas narrativas... múltiplos universos, I

Muita gente fala mal dos múltiplos universos e da confusão cronológica na DC Comics, mas infelizmente é a “criatividade” dos roteiristas e dos homens de negócio das empresas que cria universo após universo, realidade após realidade, selo após selo.

Veja um exemplo simples.

No meio dos anos 1.990 a Marvel Comics fez um acordo com um estúdio de TV e licenciou seu mega-sucesso X-Men para uma série de desenhos animados.

Os desenhos fizeram sucesso e geraram uma série em quadrinhos adaptando o desenho.

Com isso temos então três universos: a) o universo original; b) o universo da série de TV e, c) o universo dos quadrinhos que adaptavam a série de TV que era diferente do original e também diferente da série de TV.

Agora pegue o exemplo e some 75 anos de existência na divina concorrente e você terá dezenas de versões e sub-versões dos personagens. Cada um dá uma pitada para ver o quê funciona.

Na Coleção DC 70 Anos há uma aventura do Lanterna Verde Kyle Rayner que explica que Hal Jordan enlouqueceu depois que teve contato com a consciência de um maltusiano, o vilão Krona. Geoff Johns “esqueceu” isso e reaproveitou o conceito de Parallax somando-o a uma impureza que dava a liga para a força de vontade, tornando-a fisicamente existente e permitindo assim, criar baterias e anéis, para explicar que foi o bicho amarelo que contaminou Jordan. Esta segunda história funcionou melhor aos olhos dos fãs e decidiu-se que esta seria a razão para a loucura de Jordan.

Mas isso não muda o fato que originalmente Parallax era apenas uma personalidade revisionista de Hal Jordan, não verdadeiramente maligna, mas certamente bem distante de ser um herói. As revisões tornaram Parallax o equivalente à Fênix Negra, já que nem Hal Jordan, nem Jean Grey foram culpados por seus crimes e sim as criaturas que viviam neles.

Outro exemplo de adaptação é a cine-série dos X-Men que influenciou o visual dos quadrinhos com seus uniformes de couro e ao mesmo tempo foi influenciada por histórias marcantes como “Deus ama, o homem mata” (o segundo filme da franquia) ou a cura mutante na série de Joss Whedon e John Cassaday chamada Astonishing X-Men.

Quero mostrar com isso que não existe uma “origem correta”, mas um apanhado do quê funciona ao longo dos anos. A exposição neste ano de Capitão América, Thor, Lanterna Verde e X-Men irá providenciar uma nova leva de “releituras” de origens para manter a essência dos quadrinhos, mas também – e principalmente – mostrar ao leitor que acabou de sair do cinema algo que ele possa identificar-se.

Daí surgem os tais “universos alternativos” e quando um deles faz sucesso logo recebe uma série contínua como o universo Marvel Ultimate, que começou para simplificar a complexa cronologia Marvel.

No Universo Ultimate foi o desejo de criar super-soldados que motivou o surgimento dos “heróis”. O detalhe mórbido é que com apenas dez anos de vida, este selo da Marvel já necessita de um guia para explicar sua complexa cronologia e já tem personagens que devem ser esquecidos (veja Ultimate Adventures) e personagens que tem versões distintas demais quando passam de um escritor para outro (veja os Defensores na cronologia dos Supremos para saber do quê estou falando).

Culpar somente a DC Comics é um exagero.

Postagens mais visitadas deste blog

EaD: Como estudar sozinho em casa

Lost – A sexta temporada: Um resumo bem pessoal de Lost, até o episódio 9 da sexta temporada.

Existe uma ilha com propriedades magnéticas e místicas. Magnéticas por que há um contador da energia que se acumula na ilha. E místicas por que ela possui um mecanismo que pode ser utilizado para alterar sua posição no tempo e espaço.

Dois seres habitam esta ilha. Um deles, Jacob, está impedindo que o outro, ainda sem nome, saia.

Jacob pode sair da ilha e pode atrair pessoas para lá.

A função de Jacob é impedir que o outro saia da ilha. O segundo deseja matar Jacob para poder sair.

Este segundo pode se tornar uma fumaça escura que agrupada pode se tornar pessoas – geralmente entes queridos mortos – ou ser usada para destruição. Durante muitos anos, nós expectadores, achávamos que era nano-tecnologia que tem conceito semelhante.

Em 1.867 um navio chega a ilha trazendo Ricardo que se tornará agente externo de Jacob. Ricardo se torna imortal graças aos poderes de Jacob.

Um núcleo de pessoas sempre habitou a ilha. Possivelmente atraídos por Jacob. Sempre.

Após enterrar uma bomba de hidrogên…

Os Vingadores vs O Esquadrão Supremo

(Ou Como as histórias não são realmente como nos lembramos)
Não tenho nenhum entusiasmo pelos encontros entre Os Vingadores e Esquadrão Supremo. Nenhum! Ao contrário acho histórias imbecis, mas talvez seja um ranço contra Roy Thomas. Explico: na infância eu odiava os Vingadores de Thomas e por extensão o próprio, mas gostava muito da arte de Conan (Buscema & Zuñiga) ou qualquer coisa feita por Neal Adams como a Guerra Kree-Skrull ou X-Men.

Já adulto um amigo disse que o sujeito era bom e eu fui reler as histórias: não eram tão ruins quanto a lembrança. Inclusive conheci e comprei os setenta números de All-Star Squadron que eram do próprio.
Por fim, descobri que metade daquilo que eu não gostava em Thomas na verdade não era dele... era do Englehart, um sujeito também superestimado pela indústria, que só acertou uma vez: em Batman!
Vencido o preconceito contra o escritor, veio o problema da maturidade: as histórias dos anos 1960 só funcionam lá, especialmente as de super-grupos co…